Paranatinga, 11 de Dezembro de 2017

Tecnologia

Orgulho e excelência na origem da tecnologia

TECNOLOGIA | 29/08/2017 19:57:51


Segundo dados da FGV, até o fim de 2017 teremos um celular por habitante e quatro computadores a cada cinco pessoas no Brasil. Seguindo a tendência, o mercado de desenvolvimento de software deve seguir em ascensão, com expectativa do Gartner que os gastos globais com software cresçam 7,2% este ano, alcançando US$ 357 bilhões. A crescente popularização desses aparelhos e tecnologias relacionadas está mudando a vida das pessoas e empresas, que cada vez mais dependem de programas de computador para tarefas do seu dia a dia, como realizar operações bancárias, acompanhar resultados de sua empresa e até assistir a um filme no conforto da própria casa.

Com o boom das startups, o mercado de software está cada vez mais competitivo. Inovar se tornou obrigatório e a habilidade de responder a mudanças de forma ágil passou a ser o principal diferencial das empresas de sucesso. Com essa motivação, muitas empresas começaram a adotar os atualmente famosos “métodos ágeis”. Diferentemente dos modelos tradicionais de desenvolvimento de software, em que as mudanças são encaradas como riscos e o planejamento pesado é encorajado como forma de antecipar e mitigar esses riscos, as metodologias ágeis possuem como um dos valores principais a habilidade de “Responder a mudanças mais que seguir um plano”.

Processos ágeis trazem muitos benefícios às organizações, sendo aumento da visibilidade e redução do tempo de feedback os maiores deles. Afinal, para responder a mudanças de forma ágil precisamos identificar rapidamente o que está errado para que possamos corrigir o rumo. Reduzir o custo do erro é o que realmente habilita agilidade e faz com que as empresas consigam inovar mais rapidamente.

Empresas que adotam metodologias ágeis, como Scrum ou Kanban, e que não prestam atenção na excelência técnica de seus desenvolvedores, normalmente têm muitos quadros e post-its na parede, mas possuem também longos períodos de homologação da qualidade antes de cada release. Com isso, não conseguem aplicar a agilidade na produção do software e em casos extremos chegam a apresentar um aumento do número de defeitos em produção. Não podemos chamar esse cenário de ágil, certo?

“Agilidade foi criada para melhorar a forma como entregamos software. Quando não nos concentramos na excelência técnica, a qualidade do nosso software pode cair no ponto em que é muito doloroso e lento para mudá-lo. Neste ponto, não importa qual processo Ágil você tenha, porque os desenvolvedores não podem seguir mais rápido, fazendo com que a empresa perca sua agilidade.” Sandro Mancuso (2015)

Nesse contexto surgiu o movimento Software Craftsmanship. Um Craftsman coloca responsabilidade, profissionalismo, pragmatismo e orgulho de volta à profissão de desenvolvimento de software. Empresas que investem em seus desenvolvedores e incentivam os princípios do Craftsmanship como um complemento a suas metodologias ágeis tendem a conseguir inovar mais rápido e, por consequência, são mais competitivas.

 

(*) Fernando Vasconcellos atua no aprimoramento das ações de desenvolvimento de software da Involves

 

Fonte: cio.com

FACEBOOK