Paranatinga, 11 de Dezembro de 2017

Tecnologia

A tecnologia já está mudando o mercado de trabalho

MERCADO DE TRABALHO | 12/09/2017 18:29:25


Recentemente, a consultoria Ernst & Young previu que até o ano de 2025 um em cada três empregos poderão ser substituídos graças aos avanços tecnológicos como a inteligência artificial e a robótica. De fato este avanço vai impactar diversas profissões,  algumas positivamente e outras de maneira negativa.

E as inevitáveis perguntas começam a surgir: 
O que está em risco? 
Como se preparar para essa mudança?
Quais trabalhos podem estar fadados a sofrerem com essa mudanças?

Para Jackeline Johnson de Oliveira, Coordenadora Administrativo Financeiro da NOSSA Gestão de Pessoas e Serviços, o ideal é pensar na tecnologia como tudo que traz melhoria para o seu processo de trabalho ou mesmo alguma nova ferramenta – e não apenas concluir um curso de Office, por exemplo.

A especialista da NOSSA explica que as empresas estão valorizando colaboradores que trazem soluções, seja facilitando um processo ou reduzindo algum custo. Mesmo diante a gigantesca explosão da informática e dos novos sistemas que está acontecendo, Jaqueline lembra que toda essa evolução vai gerar novos empregos e novas demandas:

“O candidato precisa ir além de estar por dentro do que está acontecendo no mercado de trabalho. É preciso buscar outro tipo de informação,  estar atento em encontrar novas tecnologias e soluções para o que ele faz. Não pode ficar apenas pensando em um curso de Excel, pois a tecnologia vai muito além disso.”

A mudança sempre traz novos trabalhos
 

A própria história da evolução humana e das técnicas de trabalho mostram como essa adaptabilidade traz novas oportunidades.

Um bom exemplo é o curso de datilografia que muitas pessoas fizeram e alavancaram diversos currículos ao longo de anos. Quando a informática surgiu e se popularizou através de computadores nas casas e nas empresas, a datilografia praticamente desapareceu. No entanto, a informática trouxe muitos outros empregos como programadores, web designer, assistentes de tecnologia da informação e produtores de conteúdo.  

“E tem a figura do social media! O acompanhamento das redes sociais é muito forte hoje pois pessoas e empresas se preocupam muito com o que está na mídia. Esse acompanhamento precisa ser muito forte já que a imagem da empresa está nas redes sociais” explica Jaqueline, reforçando com este exemplo de que quando algum posto de trabalho desaparece com a tecnologia, novas funções sempre surgirão para suprir as demandas de acordo com cada realidade.

 

Fonte: paranashop

FACEBOOK