Paranatinga, 14 de Dezembro de 2017

Ronda Policial

TJ mantém prisão de acusado de “degolar e carbonizar” caseiro em MT

CRIME CRUEL | 27/11/2017 10:46:39


A Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ-MT) manteve em decisão unânime desta quarta-feira (22) a prisão de Paulo Sérgio Barbosa Félix, acusado de participação no assassinato do caseiro Rodrigues Ribeiro de Campos, de 56 anos. O crime ocorreu na cidade de Nobres (143 km de Cuiabá) no dia 18 de agosto de 2017. Félix é acusado de se associar a outros dois homens - Valdeson Pereira da Silva, de 30 anos, e Weberson César Miranda, de 24, que também estão presos -, que teriam ido “roubar galinha” na propriedade, mas acabaram matando Rodrigues “degolado”, que posteriormente também teve o corpo “carbonizado”.

A defesa de Félix negou a participação do acusado no crime e pediu a substituição da prisão – onde ele se encontra desde o dia 14 de setembro deste ano -, por outras medidas cautelares, como a prisão domiciliar com possibilidade de sair da residência para trabalhar, por exemplo. No entanto, o relator da ação, o desembargador Rondon Bassil Dower Filho, disse que o habeas corpus “não é meio próprio para sustentar tese de negativa de autoria” e que as circunstâncias do assassinato ensejam a continuidade da detenção.

“A prisão é necessária principalmente pela gravidade do delito. O paciente confessou a participação [...] Levando-os até o local do delito e buscando-os após a consumação, malgrado tenha dito não ter conhecimento”.

“Além de ter sido degolada e carbonizada, o que demonstra a crueldade da prática delitiva [é necessário] manter-se a prisão preventiva levando em consideração a gravidade concreta do crime em exame bem como a periculosidade. Representa grave risco especialmente tratando-se de uma cidade interiorana”, disse o desembargador.

Outro desembargador da Segunda Câmara Criminal, Alberto Ferreira, disse que só o “círculo de amizades” de Paulo Sérgio Barbosa Félix já seria motivo suficiente para mantê-lo preso. Segundo informações da Polícia Judiciária Civil (PJC) o trio acusado de assassinato com requintes de crueldade teria uma relação de “amizade”. “Obviamente causa uma certa estranheza. São pessoas do círculo de amizades que deparam-se com o proprietário das galinhas, desferiram 17 facadas, degolaram e incineraram o corpo”, disse Alberto Ferreira de Souza.

Pedro Sakamoto, que também é parte da Segunda Câmara Criminal, seguiu os votos.

O CASO

Rodrigues Ribeiro de Campos, de 56 anos, foi assassinado por golpes de faca e teve o corpo carbonizado no dia 18 de agosto de 2017. O crime ocorreu em uma fazenda na zona rural de Nobres, local em que a vítima trabalhava como caseiro da propriedade.

Três homens foram presos pela Polícia Judiciária Civil (PJC) - Valdeson Pereira da Silva, Weberson César Miranda, Paulo Sérgio Barbosa Félix. Inicialmente, as investigações seguiam a linha de homicídio, mas logo os policiais da Delegacia de Nobres descobriram que se tratava de um latrocínio pois os autores tinham ido à propriedade para “roubar galinhas”. Durante a execução do crime, o caseiro reconheceu um dos autores e acabou morto e queimado.

 

Fonte: Folha Max

FACEBOOK