Paranatinga, 14 de Dezembro de 2017

Ronda Policial

Maquiadora de MT tem imagem usada em golpes da internet

NA INTRNET | 22/11/2017 11:54:32


Uma jovem, que trabalha como maquiadora em Cuiabá, teve a foto dele usada por criminosos para a aplicação de golpes nas redes sociais. Os golpistas fazem anúncios de produtos na internet e solicitam a transferência do dinheiro e depois somem. Mayelle Silva, de 23 anos, contou que sofreu ameaças das vítimas para que ela devolvesse o dinheiro.

A jovem disse que soube que a sua foto estava sendo associada à venda de produtos por uma amiga que viu a postagem nas redes sociais.

Uma das vítimas denunciou em um post que havia comprado R$ 1 mil em roupas e que os anunciantes sumiram depois que ela transferiu o dinheiro. Na postagem denunciando o golpe, ela divulgou a foto de Mayelle, alertando as pessoas que não comprassem os produtos da jovem, afirmando que era um golpe.

A maquiadora contou que entrou em contato com essa vítima e informou que era a mulher da imagem, mas que não havia aplicado nenhum golpe.

"Eu falei com elas, expliquei que eu era a mulher da foto, mas que eu não tinha aplicado nenhum golpe", afirmou.

Mayelle registrou um boletim de ocorrência na polícia e fez uma declaração de inocência na coordenadoria da Gerência Especializada de Combate a Crimes de Alta Tecnologia (Gecat).

A jovem também postou um vídeo nas redes sociais dizendo que, após a utilização da imagem dela para a aplicação de golpes, ela ficou conhecida como 'caloteira'.

A jovem também contou que estava sofrendo ameaças das pessoas que viram as postagens.

"Elas começaram a falar que se me vissem na rua iriam me bater", afirmou.

Mayelle, que é estudante de estética, conta que, apesar das suas fotos estarem sendo utilizadas para aplicar golpes, as pessoas confiam em seu trabalho e que isso não reduziu o número de clientes.

Maquiadora tem imagem usada por bandidos em golpe

De acordo com o delegado da Gerência de Crimes de Alta Tecnologia (GCAT), Eduardo Botelho, os golpes com anúncios falsos de produtos estão aumentando pela facilidade de se manter anônimo.

"Eles se ocultam através desses sites e redes sociais e postam produtos inexistentes para praticar o crime", contou.

Ele alerta para a venda de produtos que estão com preços muito baixos. Segundo o delegado, o indicado é realizar comprar com fornecedores que já tenham experiência em vendas.

 

 

Fonte: G1

FACEBOOK