Paranatinga, 22 de Junho de 2018

Regional

Veículo de médica trafegava a mais de 95 km/h, diz novo laudo

ATROPELAMENTO E FUGA | 09/06/2018 14:30:22


Um novo laudo de perícia, desta vez realizado por um laboratório independente, concluiu que o Jeep Compass conduzido pela médica Letícia Bortolini estava a mais de 95 km/h no momento do atropelamento do verdureiro Francisco Lúcio Maia.

 

O acidente ocorreu no dia 14 de abril, na Avenida Miguel Sutil, em Cuiabá. A médica voltava de uma festa com o marido.

 

O laudo, realizado pela empresa Forense Lab e emitido nesta sexta-feira (8), foi realizado por meio de imagens colhidas nos estabelecimentos do entorno do acidente. A velocidade máxima permitida no trecho que o verdureiro foi atropelado é de 60 km/h.

 

O estudo aponta que o veículo de Letícia atingiu dois pontos diferentes: primeiro o verdureiro e em seguida um poste de iluminação.

 

Com isso, o laudo indica que ao atingir o verdureiro o veículo poderia estar em velocidade ainda maior, já que, no trecho analisado pelos peritos, o veículo já havia colidido com os dois pontos.

 

"Nota-se que ocorreu dissipação de energia em dois momentos distintos: o primeiro no atropelamento do pedestre e, no segundo, no poste de concreto, caracterizando que o veículo, no choque físico com esses dois elementos, estaria em velocidade estimada acima de 95 km/h, já que a velocidade ora estimada, além de ser subestimada, conforme exaustivamente argumentado pela técnica utilizada, esta foi aferida após as duas perdas de energia de colisões antes", conclui a análise.

 

O estudo foi exigido pela Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran) após um dos laudos emitidos pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) sugerir que a velocidade do veículo poderia ser de 30 km/h. A Politec negou que essa afirmação seja conclusiva e criticou em nota os questionamentos do delegado.

 

Conforme o documento, a velocidade média de impacto era de aproximadamente 40km/h, e a velocidade do dano de 30 km/h.

 

“A Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito, na busca da verdade real  que é a missão finalística das investigações que realiza, solicitou a um laboratório independente um parecer técnico acerca do assunto”, disse o delegado Christian Cabral, responsável pelo caso, em nota encaminhada a imprensa.

 

Para finalizar o inquérito, Deletran ainda aguarda a conclusão de um laudo pericial a ser elaborado pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) que também analisa imagens do momento do acidente para, dentre outras coisas, precisar a velocidade estimada do veículo envolvido na ocasião. 

 

Dia do acidente

 

A médica Letícia Bortolini, de 37 anos, foi presa sob suspeita de atropelar e matar o vendedor de frutas Francisco Lucio Maia, de 48 anos. O acidente ocorreu na avenida Miguel Sutil, no bairro Cidade Verde, em frente a uma agência do Banco Itáu.

 

A médica conduzia um veículo Jeep branco e estava na companhia de seu esposo, também médico. Ambos teriam apresentado sinais de embriaguez, segundo a Polícia, que não foi comprovada mediante exames.

 

A vítima foi atropelada quando terminava de atravessar a via e tentava subir seu carrinho de verduras na calçada no dia 14 de abril, um sábado.

 

O casal de médicos fugiu do local sem prestar socorro. Uma pessoa que presenciou o momento do acidente foi atrás do casal e viu o momento em que o carro entrou em um condomínio no bairro Jardim Itália.

 

A polícia foi acionada e a médica foi autuada por homicídio culposo no trânsito e omissão de socorro. 

 

 

Fonte: Midia News

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE