Paranatinga, 23 de Julho de 2019

Regional

IMPROBIDADE

Justiça: Prefeitura abasteceu ônibus escolar que não tinha rodas

Publicado 18/03/2019 20:40:50


A Justiça determinou o bloqueio de bens do ex-prefeito, João Assis Ramos e mais quatro servidores do município de Colniza (a 1.065 km de Cuiabá) por suposta fraude na aquisição de óleo diesel para uso de um ônibus escolar sucateado, que se encontra abandonado e não possui sequer rodas.

 

Os outro denunciados são: o ex-coordenador do Departamento de Frotas, Cleiton Marcheski de Oliveira; a ex-secretária de Finanças, Ozélia Pereira de Oliveira e ainda Arildo Batista Dalto e Joel Candioto.

 

A decisão liminar foi proferida pelo juiz Ricardo Frazon Menegucci, na sexta-feira (15) (confira decisão na íntegra AQUI).

 

Segundo o magistrado, os fatos apontam para fortes indícios de ato ímprobo, porque o ônibus escolar “talvez não sirva nem para sucata”, além de outros desvios relacionados a veículos da prefeitura, como uma pá-carregadeira cuja quantidade de combustível adquirida é acima do consumo possível para o período justificado, e um caminhão que não pertencia à frota municipal.

 

“É evidente que o feito não se encontra na fase instrutória, mas são fortes os indícios de ato ímprobo, eis que fora adquirido combustível para um ônibus escolar abandonado, sem rodas, que talvez não sirva nem para sucata”, diz trecho da decisão.

 

Ao analisar o caso, o magistrado destacou ainda que a medida cautelar de indisponibilidade tem como finalidade evitar que o dano ao erário fique sem reparação, de forma que se comprovado que não houve ato de improbidade, nada impede de que a medida seja revogada e o processo encerrado.

 

 

Fonte: midianews

Publicidade Áudio

Enquete

Após iluminação pública, qual investimento será mais importante a Paranatinga

ASFALTO

PRAÇAS PÚBLICAS

SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO

SAÚDE PÚBLICA

EDUCAÇÃO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE