Paranatinga, 11 de Dezembro de 2018

Política

Valtenir diz que Garcia deixou dívidas de R$ 500 mil e cita crime

LEVANTAMENTO NO PSB | 03/01/2018 11:02:25


O presidente regional do PSB, deputado federal Valtenir Pereira, voltou a criticar a administração da sigla pelo colega também federal Fabio Garcia. Ele classificou como “irresponsável” a gestão de Garcia e apontou um possível crime de apropriação indébita previdenciária e dívidas de R$ 500 mil.

 

Segundo Valtenir, os dados apareceram em um levantamento realizado por ele assim que assumiu o comando do partido em Mato Grosso. Apesar disso, os dados completos não foram apresentados.

 

“Foram constatadas diversas irregularidades, como falhas em 80% das provisórias municipais, fato que já veio a público por meio da imprensa. O setor financeiro também apresentou anormalidades, com dois funcionários recebendo salários incompatíveis com as funções executadas, sendo um de R$ 8 mil e o outro de R$ 5 mil”, disse em nota enviada nesta terça-feira (02).

 

 

Outros encargos sociais descontados dos empregados, também não foram recolhidos, o que, em tese, configura crime. Demonstrando, assim, a irresponsabilidade do antigo gestor

“Ambos estavam com os Impostos de Renda para serem recolhidos. Os valores foram descontados na folha de pagamento dos empregados, porém não foram recolhidos como de fato é obrigação do empregador. Outros encargos sociais descontados dos empregados, também não foram recolhidos, o que, em tese, configura crime previsto no artigo 168-A, do Código Penal. Demonstrando, assim, a irresponsabilidade do antigo gestor da sigla”, afirmou.

 

Ainda de acordo com Valtenir, Garcia deixou em atraso o aluguel da sala comercial onde era a sede do partido e uma dívida da locação de veículos em Goiás durante a campanha de 2014. Segundo ele, a última dívida gerou o bloqueio das contas bancárias do PSB-MT. 

 

Na nota, Valtenir lembrou, ainda, de uma dívida de R$ 230 mil do chamado dízimo partidário de membros da sigla. O valor corresponde a 10% do salário bruto dos deputados estaduais Eduardo Botelho, Adriano Silva, Mauro Savi, Oscar Bezerra e Max Russi (atual chefe da Casa Civil).

 

“Quando entregamos o partido, em 2013, estava tudo redondinho. Não havia nenhuma pendência não resolvida, nem financeira, nem de nenhuma outra área. Agora, assumimos a sigla com uma dívida de quase R$ 500 mil”, afirmou o secretário-geral, Milton Simplício.

 

Outro lado

 

A reportagem entrou em contato com a assessoria do deputado Fabio Garcia, que reafirmou o que o parlamentar já havia dito em dezembro, quando Valtenir fez as primeiras acusações. Disse que Garcia deixou de maneira "abrupta" a presidência do partido e que é "normal" que haja dívidas. Os valores, segundo a assessoria, estavam sendo pagos.

 

O parlamentar alega desconhecer as eventuais irregularidades no Impostos de Renda dos servidores.

 

 

Fonte: Midia News

Publicidade Áudio

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE