Paranatinga, 24 de Abril de 2019

Política

MEDIDA ANTICRIME

Turin: Projeto de Moro é "bom e factível"; MPs devem colaborar

Publicado 09/02/2019 21:38:53


REDAÇÃO

O presidente da Associação Mato-Grossense do Ministério Público (AMMP), promotor Roberto Turin, avaliou positivamente o pacote anticrime do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, divulgado nesta semana.

 

O pacote, que visa a alteração de 14 leis do Código Penal e Eleitoral, será votado na Câmara Federal, Senado e posteriormente encaminhado para sanção do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

 

“A princípio as medidas são boas, pontuais, são técnicas e factíveis. Agora temos que acompanhar como será a tramitação disso no Congresso Nacional. Acredito até que o Ministério Público deve colaborar com algumas sugestões para melhorias pontuais. Mas de maneira geral é um projeto muito bom”, disse o promotor ao MidiaNews.

 

Um dos pontos propostos pelo ministro é o chamado “plea bargain”. Neste instituto, o acusado pode confessar o crime, negociar a pena com o Ministério Público e não se submeter ao processo judicial. 

 

Para o promotor, caso aprovada, a medida - bastante usada na justiça norte-americana - trará ganhos para a área penal no Brasil.  

 

“O plea bargain é um acordo entre o Ministério Público e os acusados de crimes visando aplicar mais rapidamente as penas. A maioria dos países mais ricos, ditos civilizados, adota o ‘plea bargain’ ou sistema parecido”, apontou o promotor. 

 

A medida é vista com reserva por alguns setores, pois, segundo os críticos, faz com que o Ministério Público não necessite produzir mais provas. O que poderia gerar condenações de inocentes.

  

“Corretamente aplicado não vai levar a isso. Não é porque pode ocorrer um erro que eu vou deixar de adotar um instituto que traz inúmeros benefícios para o sistema de punição criminal, judicial e para o sistema penal como um todo”, apontou o promotor. 

 

“Dentro ou fora do 'plea pargain' podem ocorrer erros no sistema de justiça, mas o próprio sistema também tem os meios para coibir ou corrigir esses erros”.

 

Impossibilidade de recorrer em liberdade

 

Outra medida proposta por Moro diz respeito à impossibilidade de o réu recorrer em liberdade quando condenado em segunda instância. 

 

“Isso é um avanço fantástico, já deveria existir há muito tempo no Brasil. Porque já existe na maioria dos outros países”, afirmou o promotor.

 

Turin explica que hoje, na maioria dos acasos, o condenado à prisão tem a pena executada somente quando todos os recursos - em todas as instâncias - se esgotam. 

 

“A maioria desses recursos são meramente protelatórios. O STJ não vão avaliar mais o mérito, a prova. Eles vão analisar questões técnicas jurídicas ou processuais ou legais. Então, a lógica é que se o cidadão quer continuar recorrendo, depois de condenado, ele deveria recorrer preso”.

 

“Mas se, eventualmente, lá na frente, ele pode vir a ser absolvido? São raras as situações em que isso ocorre, mas pode? Pode. Mas essas exceções não podem constituir a regra, justamente porque são exceções”, disse.

 

Alteração no Código Eleitoral

 

Outro ponto de destaque entre as medidas diz respeito a tipificação de crime de “caixa 2” nas eleições, com pena de 2 a 5 anos de prisão.

 

Atualmente, a acusação é julgada com base em um dos artigos do Código Eleitoral, sem especificação de crime.

 

“Para tirar a margem essa discussão, do que é e o que não é crime de caixa 2, a lei é importante. E deixa claro que essa prática do chamado caixa 2 é, sim, um crime. Tanto crime de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio, quanto crime eleitoral”, afirma o promotor.

 

O pacote

 

O Projeto de Lei Anticrime foi encaminhado ao Congresso Nacional na última segunda-feira (4).

 

O texto propõe o endurecimento de penas para crimes relacionados a organizações criminosas, corrupção e delitos violentos. Ainda abranda a penalização do chamado crimes de “legítima defesa”.

 

O projeto ainda não tem data para ser colocado em pauta no Congresso.

 

 

Fonte: midianews

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE