Paranatinga, 20 de Novembro de 2017

Política

Silval queria editar vídeo que flagrou deputados pegando dinheiro

BIG BROTHER PAIAGUÁS | 24/09/2017 23:54:47


O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) queria editar o vídeo que flagrou vários deputados recebendo dinheiro de propina no gabinete de seu ex-assessor Silvio Araújo, em dezembro de 2013.

 

A afirmação é do próprio Silvio Araújo, que admitiu o fato durante conversa mantida com o ex-secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia, Alan Zanatta, diálogo que foi gravado pelo ex-secretário no dia 28 de agosto deste ano.

 

A gravação foi apreendida pela Polícia Federal na casa do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), durante a Operação Malebolge, deflagrada no dia 14.

 

A operação, que teve como base as delações de Silval e Silvio à Procuradoria Geral da República (PGR), investiga vários esquemas ocorridos na gestão do ex-governador.

 

A conversa foi gravada por Alan 20 dias após o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter homologado as colaborações do ex-governador e do ex-assessor, assim como da esposa de Silval, Roseli Barbosa, e do filho do casal, Rodrigo Barbosa.

 

MidiaNews teve acesso a um parecer técnico sobre a transcrição da conversa, feita pelo perito judicial Alexandre Pérez. O parecer concluiu que os diálogos não possuem "quaisquer vestígios de montagens e/ou emendas aparentes, sendo que a respectiva gravação ocorreu de forma ininterrupta".

 

Conforme a perícia, a gravação foi feita com um celular Samsung Duos e possui duração de 1h24min51s. No documento, o perito usou legendas para identificar os interlocutores: AN para Alan Zanata, KL para Kleverson, identificado como "Coxinha", SV para Silvio Araujo e VMF para voz masculina de fundo, que não foi identificada. 

 

Antes de encontrar Silvio Araujo, a gravação mostrou Alan Zanata conversando com "Coxinha", que seria um possível funcionário. Assim que Silvio chegou, o ex-secretário então pediu para Coxinha trazer uma cerveja para ele e uma água para a "visita".

 

Pedido de Silval

 

Silvio contou a Alan que a ideia de gravar os deputados recebendo o “mensalinho” partiu de Silval. A propina era paga pelo Executivo para que os deputados apoiassem os projetos do Governo, e seria fixada em R$ 50 mil por mês.

 

Falei assim ah... o Silval falou: “vamos editar isso”. Eu falei: “Não, editar não”. Se editar, daqui a pouco não vai valer como prova porque , tudo o que é editado os caras...

Silvio: Não, você tá falando a verdade.  Mas eu tô falando da gravação. Quando o Silval pediu, tipo olha só... Silval isso é perigoso.

 

De acordo com o ex-assessor, Silval teria dito que se fosse preso, todo mundo “cairia” por conta dos documentos e gravações que ele armazenava. O ex-governador foi preso em 2015 por conta da Operação Sodoma e só conseguiu a soltura em junho deste ano, após firmar delação.

 

Silvio: Ele falou pro Coxinha: “se me prender, pode ficar tranquilo, que eu tenho... to com a mala pronta, ta com documentos, no outro dia todo mundo cai. Eu falei pro Coxinha: “pô coxinha, até na, na maldade eu tô ajudando o Silval, porque se não fosse essas gravações amanhã, nada do que o Silval tá falando tinha... tinha valor, nada”. Não tinha... Não vi nenhuma gravação dele aí. Ele diz que tem do... que você acabou de falar aí, do Silvano [Amaral], do Wagner [Ramos]. Não vi.

 

Alan: Diz que ele (falaram) do Wagner hoje no mercado, parece.

 

Silvio: Ah é?

 

Alan: Do Wagner Ramos, no mercado.

 

Silvio: Diz que tinha do... do Oscar Bezerra. Falei que não vi. Se tivesse, já tinha mostrado, cara. Eu acho que não tem nada.

 

Logo após, Alan Zanata criticou o fato de as delações terem “ermbolado” todo o meio político em uma coisa só, tanto situação quanto oposição. Ele também saiu em defesa do então deputado e atual prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB).

 

Alan: [...] O Emanuel tá... O Emanuel tá lá em cima. Cresceu, tá arrebentando. Disse cara que sempre foi parceiro, o Emanuel... Eu de exemplo, convivi, entendeu Silvio? Cara, ponta firme, é um cara que nunca pediu um centavo assim, pra... pra botar faca, não, pra dar governabilidade. Pra fazer isso... Você sabe disso.

 

Silvio: Esse foi o contexto né?

 

Alan: Entendeu, aí bota ele num contexto, que também, não tinha um motivo cara. Um cara igual ele não tinha motivo cara...

 

O ex-chefe de gabinete então contou que ficou sabendo apenas um dia antes que os deputados iriam fazer a “operação” para receber o dinheiro.

 

Alan: Final de ano?

 

Silvio: Eu não lembro que mês que foi. Eu não lembro. Só sei que foram todos lá, eles todos. Um que estava na reunião lá, eu arrumei uns quatrocentos e cinquenta mil, não sei quanto que foi. Aí... aí assim, eles saíram da reunião e não... não foi escolhida. Ah, vem Emanuel, Ah, vem João. Foi... eu queria pegar o Pedro.

 

Alan: Que Pedro?

 

Silvio: Pedro Satélite, isso que [...]. Queria pegar o Sebastião Rezende, não peguei. Queria pegar Riva, não peguei. Porque assim, era na sede. Aí pronto, primeiro que entra é o Luiz Marinho, puta que pariu, já me desmontou.

 

Alan: O aleijado?

 

Silvio: É.

Alair Ribeiro/MidiaNews

Silvio Araújo

O ex-assessor de Silval, Silvio Araújo

 

De acordo com Silvio, não houve uma “seleção” para filmar os parlamentares recebendo a propina, pois a gravação foi ininterrupta.

 

Silvio: Não, não, não, Alan, não teve sacanagem. A sacanagem foi de gravar na própria ação que eles fizeram. Que ali você vai ver que foi, foi um único dia, que tinha uma sequência. Acabou.

 

Alan: Foi no mesmo dia?

 

Silvio: No mesmo dia. Foi numa sequência. Acabou. Não teve mais.

 

Questionado sobre a cobrança do dinheiro, o ex-assessor de Silval relatou que Emanuel Pinheiro “cobrava, mas não botava a faca no pescoço”. Segundo Silvio Araújo, a única preocupação de Silval era com o ex-deputado e atual procurador do Estado, Alexandre César, que seria parente da esposa do ex-governador.

 

Silvio também negou que tenha “selecionado” o vídeo de Emanuel para dar mais peso à delação.

 

Silvio: Olha, não teve viu? Não teve seleção, tô sendo muito honesto. Não teve seleção, não teve... não foi escondido, não. Foi... quem na hora deu a pressão, bateu também.

 

Alan Zanatta disse que algumas pessoas comentaram com ele que Emanuel foi pego como “bode expiatório” para diminuir a pena dos delatores. Silvio chegou a admitir que o fato de Emanuel ser prefeito deu mais visibilidade à delação, mas voltou a negar que tenha ocorrido uma escolha prévia.

 

Silvio: [...] Tanto é que tão mais massificando é ele né. Mas é que no contexto, ele é o cara de mais... repercussão hoje, né? Se ele fosse um deputado não, não daria tanto impacto. Mas até te falar que não... que não foi escolhido, não foi. Foi no dia e na hora errada que ele...

 

Alan: Até penso, eu falei: “cara, acho que é alguma coisa do Silvio contra o Emanuel”.

 

Silvio: Não, não tem nada.

 

Alan: Não tem nada.

 

Ainda conforme a gravação, o ex-assessor disse que sequer viu os vídeos antes de entregá-los às autoridades. Todavia, ele relatou que Silval chegou a cogitar editar os vídeos antes de firmar a delação.

 

Silvio: Eu imagino. Ah não, mas... não tinha como. Infelizmente. Primeiro que eu não tive coragem de mostrar aquilo pra ninguém... Falei assim ah... o Silval falou: “vamos editar isso”. Eu falei: “Não, editar não”. Se editar, daqui a pouco não vai valer como prova porque, tudo o que é editado os caras...

 

Alan: Você fala... se editar perde a prova?

 

Silvio: Ahã.

 

Alan: É mesmo?

 

Silvio: Se der corte. Entendeu? Porque cara, não (tá editado). Começou, parou, não tem interrupção, não tem um nada. 

 

Leia trechos da transcrição da conversa entre Silvio Araújo e Alan Zanatta:

 

 

Fonte: Midia News

FACEBOOK