Paranatinga, 23 de Agosto de 2019

Política

M P E

MPE investiga posto por contratos de R$ 142 mi nas gestões de Silval e Taques

Publicado 27/05/2016 11:34:44


O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou nesta semana inquérito civil para apurar a suspeita de irregularidade em uma dispensa de licitação feita pelo Governo do Estado para contratar pelo valor de R$ 41,151 milhões para rede de combustíveis Marmeleiro Auto Posto LTDA. A investigação conduzida pelo promotor de Justiça Célio Fúrio tem como alvo o secretário de Estado de Gestão, Júlio Modesto, que conduziu a contratação milionária. 

O procedimento feito pela Seges serviu para contratar serviços de gerenciamento e controle de fornecimento de combustíveis aos veículos e embarcações oficiais dos órgãos do poder Executivo. O fornecimento de combustível se daria com gasolina comum, diesel comum e S10, etanol comum e gás veicular. 

A operação de todo o sistema é informatizado e integrado, acessível via web, e dispõe de tecnologia para pagamento por meio de cartão microprocessado. O contrato sem licitação celebrado no dia 16 de dezembro de 2015 e tinha previsão de durar 180 dias. 

Foi encaminhado ofício a Secretária de Estado de Gestão requisitando o encaminhamento da cópia de todo processo de dispensa licitatória nº 007/2015, inclusive, o parecer jurídico que embasou a decisão para a dispensa de licitação e a decisão administrativa. O Marmeleiro Auto Posto é um "antigo" fornecedor aos órgãos públicos de Mato Grosso.

A empresa também foi a principal fornecedora de combustível ao Governo durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que está preso no centro de custódia de Cuiabá há mais de 130 dias. Um contrato firmado no final de 2014, no apagar das luzes da gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), foi alvo de Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) instaurado em outubro do ano passado pela Corregedoria Geral do Estado.

O valor do contrato era de R$ 81,5 milhões e previa o fornecimento dos combustíveis para frotas e maquinários do Estado pelo período de 12 meses. Ou seja, o posto arrcadaou cerca de R$ 142 milhões nas duas gestões.

 

 

Fonte: Folha Max

Publicidade Áudio

Enquete

Você aprova ou não? Vereadores de MT tentam mudar nome de Portão do Inferno para Portal Paraíso

SIM

NÃO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE