Paranatinga, 19 de Abril de 2019

Política

CAIXA VAZIO

Governo de MT arrecada R$ 588 milhões a menos do que o esperado

Publicado 05/11/2018 11:07:33


 

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, revelou que a receita bruta de Mato Grosso ficou R$ 588 milhões abaixo do esperado para o período de janeiro a agosto de 2018.

 

Os dados foram apresentados durante apresentação do relatório das Metas Fiscais do 2ª Quadrimestre de 2018, na manhã de terça-feira (30), na Assembleia Legislativa.

 

De acordo com Gallo, a previsão é de que, no período, a receita bruta do Estado fosse de R$ 14,4 bilhões. Entretanto, o valor foi de R$ 13,8 bilhões. A frustração foi de 4,1%. Com as deduções, a receita total do Estado foi de R$ 11,3 bilhões.

 

Uma das explicações é a queda de 96,9% nas receitas orçamentárias de capital. A previsão para este ano era de R$ 957,9 milhões, mas somente R$ 29,6 milhões se concretizaram.

 

Por outro lado, as receitas correntes tiveram alta. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), por exemplo, arrecadou R$ 6,6 bilhões. O número é 4,6% a mais do que era esperado para o período.

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

 

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo: maiores gastos do Estado são com a folha de pagamento dos servidores

Já o IPVA foi de R$ 640,1 milhões, ou 5,2% a mais do que era esperado.

 

De acordo com Gallo, para os Municípios foram repassados R$ 1,6 bilhão de ICMS e R$ 320 milhões de IPVA.

 

Superávit

 

Com relação às despesas, o Executivo gastou R$ 10,8 bilhões. O valor está 15,4% abaixo do esperado.

 

Os maiores gastos são com a folha de pagamento do Estado. Foram passados R$ 7,3 bilhões para despesas de pessoal e encargos.

 

Por conta da diferença entre receita e despesa, o Executivo teve um superávit de R$ 428,8 milhões.

 

Mesmo assim, Gallo estima que os restos a pagar chegam a R$ 1,7 bilhões. Deste total, R$ 700 milhões são de folha de pagamento o restante ainda não possui lastro financeiro para ser quitado.

 

“Porém, como temos restos a pagar sem lastro financeiro, há uma contaminação do exercício financeiro por despesas de outros exercícios. Já foram pagos, de janeiro a agosto de 2018, R$ 1,7 bilhão de restos a pagar de outros exercícios, sobretudo de 2017. Então, teríamos um déficit. Por isso digo que a realidade do caixa não é a realidade que está demonstrada no superávit primário”, completou.

 

Fonte: Mídia News

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE