Paranatinga, 16 de Dezembro de 2018

Política

CHAPA QUENTE

Deputado de oposição diz que colega é "podre por dentro" e "não tem moral"

Publicado 28/02/2018 13:51:35


Os deputados estaduais Zeca Viana (PDT) e Adalto de Freitas, o “Daltinho” (SD), se estranharam e trocaram acusações durante sessão na noite de terça-feira (27), na Assembleia Legislativa.

 

Após críticas ao Governo, Daltinho disse que Zeca faz uma “oposição raivosa”, motivada por problemas pessoais com o governador Pedro Taques (PSDB).

 

Zeca, por sua vez, disse que o colega não tem “moral” para defender o Governo, o qual ele classifica como “corrupto”.

 

A confusão teve início quando Zeca criticou o Governo, diante dos fatos revelados na Operação Bereré, que desbaratou um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro operado no Detran-MT, com com participação das empresas EIG Mercados e Santos Treinamento.

 

 

Vossa excelência não teria nem moral para defender esse governador. Durante a campanha, o senhor era pra estar junto, o senhor pulou pra outro lado, com seus interesses, seus ideais próprios

Após a operação, o governador afirmou que há tempos o Executivo tenta rescindir o contrato com a empresa, mas que esbarra em uma multa de R$ 100 milhões.

 

Zeca disse que a afirmação do governador é "mentirosa". “Desafio o governador para que ele apresente onde está essa multa de R$ 100 milhões. Revisei o contrato inteiro e não existe essa multa. O Governo é tão porcaria que chegou num dos níveis mais baixos. Trata-se de um mentiroso de primeira classe”, disparou.

 

“O governador usa de frases de efeito para impressionar população, a imprensa... Chegou a dizer: ‘Se a oposição tiver dados sobre fraude no Detran, que documente ao MPE. Aliás, de corrupção a oposição conhece bem'. Ele disse isso. Mas, ora governador, me desculpe a franqueza, nesse momento o senhor esqueceu que os dois deputados investigados são de sua base”, afirmou Zeca.

 

Daltinho então usou a tribuna para afirmar que Zeca comete “graves exageros” quando fala do governador e disse que o tucano tem feito o que entende ser certo para colocar o Estado numa condição de “altivez” e “respeito”.

 

“O governador Pedro Taques tem muitos adversários que até gostavam daquele Estado que tínhamos na legislatura passada. Não é o Estado que eu gostaria de continuar defendendo. As práticas não democráticas, não lícitas adotadas nos governos passados me faziam embrulhar o estômago”, afirmou Daltinho.

 

“Sem moral”

 

A declaração foi o bastante para que Zeca voltasse à tribuna e disparasse críticas ao colega.

 

“Acho que vossa excelência não tem nem moral para defender esse governador. Durante a campanha, o senhor era pra estar junto [com Taques], o senhor pulou para o outro lado, com seus interesses, seus ideais próprios. O senhor foi um governista ferrenho no mandato passado. E agora também defende um Governo mentiroso e corrupto”, disse Zeca.

 

Não creio que as palavras de baixo calão caibam até mesmo a uma oposição raivosa

 

O deputado também afirmou que não atua com demagogia, tampouco jogando “a sujeira pra debaixo do tapete”.

 

Disse que se o Governo Taques não tem mais seu apoio é porque não o faz por merecer.

 

“Isso que estou defendendo é uma coisa clara, ética e honesta. Não defendo sujeira. Não defendo pessoas mentirosas. Não adianta contar comigo para fazer isso. Sou companheiro até debaixo da água para defender o Estado de Mato Grosso, a população. Mas faço isso com ética, coerência e inteligência, não com mentiragem, demagogia e querendo ser melhor que os outros”.

 

Palavras chulas

 

Não satisfeito, Daltinho novamente fez o uso da fala e disse se entristecer ao ver o colega fazendo críticas usando palavras “chulas”.

 

“Fico triste ao ver que meu colega, que tem problemas pessoais com o governador, fazer acusações a meu respeito. Não fui governista no Governo passado, muito pelo contrario, fui oposição ao Silval. Sei da importância da oposição, mas as palavras devem ser mais apreciadas”, disse Daltinho.

 

“Não creio que as palavras de baixo calão caibam até mesmo a uma oposição raivosa. As palavras e a forma chula de se dirigir ao governador em nada contribuem. Tenho total respeito por vossa excelência, gostaria que também tivesse por mim”, afirmou.

 

Não adianta falar bonito, com palavras de português claro, se por dentro é podre”

 

“Podre por dentro”

 

A confusão não parou por aí e o deputado Zeca Viana ainda afirmou que Daltinho, embora use “o português correto”, é “podre por dentro”.

 

“Daltinho, meu querido colega, meu amigo, teu passado não é bonito nessa Casa. O senhor gravou parlamentares numa reunião de colegiado e quer dar uma de moralista aqui? Esse é seu perfil. Não adianta falar bonito, com palavras de português claro, se por dentro é podre”, afirmou.

 

“Prefiro palavras chulas, mas palavras corretas e diretas. Por isso tenho liberdade de falar. O senhor sabe as coisas ilícitas com que se envolveu e aí quer dar uma de moralista pra cima de mim. Não admito. Pode falar bonito, mas vossa excelência está errada”, concluiu Zeca.

 

Fonte: Midia News

Publicidade Áudio

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE