Paranatinga, 21 de Janeiro de 2018

Política

Após crime em Colniza, dois prefeitos relatam ameaça de morte

AMEAÇAS | 23/12/2017 10:13:47


O presidente da Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, revelou nesta sexta-feira (22) que dois prefeitos comunicaram ter sofrido ameaça de morte em Mato Grosso neste ano.

 

A denúncia foi feita após o assassinato do prefeito de Colniza (1.065 km a Noroeste de Cuiabá), Esvandir Antonio Mendes, de 61 anos, na última sexta-feira (15). Ele foi morto a tiros dentro de sua Toyota SW4 preta. 

 

“Eu fiz um apelo para que todos aqueles que tivessem situações parecidas [com a de Mendes] que me comunicassem para que as providências sejam tomadas. Até agora, dois prefeitos tiveram coragem de falar. Nós já encaminhamos a denúncia ao governador [Pedro Taques] e ao secretário de Segurança [Gustavo Garcia]”, disse Neurilan em conversa com a imprensa.

 

O presidente preferiu não citar os nomes dos prefeitos ameaçados para não atrapalhar as investigações.

 

 

Nós não sabemos a motivação [das ameaças], por isso não queremos divulgar os nomes para não atrapalhar as investigações. Pode ter viés político, pode ser problema pessoal, a gente não sabe

“Nós não sabemos a motivação [das ameaças], por isso não queremos divulgar os nomes para não atrapalhar as investigações. Pode ter viés político, pode ser problema pessoal. A gente não sabe”, afirmou.

 

“Tem regiões de Mato Grosso que precisam melhorar a segurança, porque nós estamos vivendo um caos, apesar dos investimentos que foram feitos. O Governo tem mostrado alguns números com redução de assassinatos, roubos, etc. Mas essas regiões mais distantes, onde existem conflitos agrários, políticos, precisam ter uma atenção especial”, disse.

 

Neurilan afirmou que Esvandir Antonio Mendes nunca disse a ele que estava sofrendo ameaças.

  

“Ele não relatou nada, infelizmente. Nós ficamos sabendo depois, que ele estava sendo ameaçado, recebendo várias ligações. Eu sabia que ele estava enfrentando problema de viés político com a Câmara de Vereadores, já que tinha um processo de cassação contra ele. Mas em nenhum momento disse que estava sendo ameaçado”, pontuou.

 

O crime

 

O prefeito conduzia uma Toyota SW4, quando foi interceptado pelos criminosos, que estavam em um veículo SUV preto, a cerca de 7 quilômetros da entrada de Colniza.

 

O veículo foi ao encontro da caminhonete do prefeito e vários disparos foram feitos contra ele, que ainda conseguiu dirigir, mas morreu no perímetro urbano. 

 

Outros dois disparos feriram o secretário de Finanças Admilson Ferreira, de 41 anos, sendo um na perna esquerda e outro nas costas. Ele passa bem.

 

Os suspeitos Antônio Pereira Rodrigues Neto, Zenilton Xavier de Almeida e Welisson Brito Silva foram presos em uma estrada entre Juruena e Castanheira (880 e 735 km a Noroeste da Capital, respectivamente).

  

Eles estavam em um Fiat Uno cinza, quando foram abordados por uma viatura da Polícia Civil.

 

Dentro do automóvel, foram apreendidos R$ 60 mil em dinheiro. O montante estava em pacotes do Banco do Brasil.

  

Os acusados devem responder pelos crimes de homicídio qualificado por motivo fútil, promessa de recompensa e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

 

A Polícia Civil afirmou, no sábado (17) - um dia após o crime -, que Antônio, que é empresário na cidade, teria arregimentado os outros dois homens no Pará para matar Mendes em razão de uma dívida. 

 

A suspeita, porém, é de que algum político ou grupo possa ter aliado ao empresário, unindo interesses para assassinar o prefeito.

 

 

Fonte: Midia News

FACEBOOK