Paranatinga, 22 de Outubro de 2019

Política

DESCOMPASSO EM MT

Algumas críticas doem, mas sei que Mauro reerguerá o Estado

Publicado 09/02/2019 21:38:01


REDAÇÃO

 

Considerada uma mulher discreta, mas que em alguns momentos emite posicionamentos polêmicos e mais incisivos, a primeira-dama do Estado, Virgínia Mendes, admitiu que a gestão do marido começou com certo desgaste, especialmente por conta de decisões de ajuste da máquina consideradas “amargas” . 

 

“Tenho a compreensão que se tais medidas não fossem aprovadas, Mato Grosso não conseguiria corrigir o descompasso entre receitas e despesas e a crise só se agravaria. Mesmo com esse desgaste inicial, acredito que a sociedade tem conhecimento sobre a forma como o governador Mauro Mendes recebeu o Estado”, disse.

 

Na avaliação de Virgínia, o governador precisou ser muito “racional” e “ágil” para garantir a governabilidade.

 

 

Me dói ler certas críticas que fogem a compreensão sobre o grave momento pelo qual passa o Estado, mas também me coloco no lugar das pessoas que estão passando por todo tipo de dificuldade

“Me dói ler certas críticas que fogem da compreensão sobre o grave momento pelo qual passa Mato Grosso, mas também me coloco no lugar das pessoas que, nesse momento, estão passando por todo tipo de dificuldade”, afirmou.

 

“Eu, particularmente, não esperava que esse início fosse tão delicado sob todos os aspectos, mas continuo convicta de que o Mauro, conjuntamente com o vice Otaviano Pivetta e toda a equipe, são os mais preparados para retornar Mato Grosso aos trilhos do desenvolvimento”, disse.

 

Ao MidiaNews, ela falou sobre sua participação no governo e tratou também de um assunto polêmico, ainda lá de 2016, quando foi apontada como “pivô” do recuo de Mendes em sair à reeleição na Prefeitura de Cuiabá.

 

“Foi uma decisão conjunta e muito difícil, porém necessária naquele momento. Precisávamos nos dedicar à nossa família e aos nossos negócios. O compromisso do Mauro de honrar os quatro anos como prefeito foi cumprido e, na hora de avaliar a reeleição, pesou muito os aspectos familiares. A verdade é que, naquele momento, nossa família e nossos negócios precisavam mais dele e foi isso que ocorreu”, afirmou.

 

Veja os principais trechos da entrevista:

MidiaNews - O governador Mauro Mendes assumiu o Estado com graves problemas financeiros e teve que tomar medidas consideradas “amargas” já no início da gestão. Como a senhora avalia essas medidas? Entende que elas são necessárias para colocar Mato Grosso nos trilhos?

 

Virgínia Mendes - Antes mesmo de tomar posse, com base no conhecimento prévio a respeito da situação financeira do Estado, o cenário já era de desequilíbrio das finanças do Governo de Mato Grosso. Mauro, ainda durante os trabalhos da transição, já estudava junto com sua equipe técnica e com o Pivetta medidas, não digo amargas, mas sim necessárias, para o reajuste da máquina pública e para promover o equilíbrio financeiro. Medidas semelhantes voltadas ao enxugamento da estrutura de governo, redução de despesas, renegociação de contratos e ampliação de receitas também foram tomadas tão logo que Mauro assumiu a Prefeitura de Cuiabá. Com menos impacto, é claro, pois agora estamos tratando de uma estrutura de Governo do Estado e com um descompasso nas finanças sem precedentes. Eu confio na capacidade administrativa do Mauro e de toda esta equipe de Governo. Na Prefeitura, ele encerrou o mandato com mais de 80% de aprovação popular. Tenho certeza que ele conseguirá reerguer nosso Estado e devolver ao povo uma prestação de serviço público de qualidade.

 

MidiaNews - A senhora esperava que, já no início do Governo, ele enfrentasse esses embates com o funcionalismo público e representantes do agronegócio, por exemplo?

 

 

Tenho certeza que ele conseguirá reerguer nosso Estado e devolver ao povo uma prestação de serviço público de qualidade

Virgínia Mendes - É compreensivo que todas as partes diretamente afetadas, não só os servidores públicos e representantes do agronegócio, como também o setor empresarial e prestadores de serviços, se sintam neste primeiro momento prejudicados. Mas pelo pouco que pude conferir durante as reuniões com o secretariado, tive a compreensão de que se tais medidas não fossem aprovadas, Mato Grosso não conseguiria corrigir o descompasso entre receitas e despesas e a crise só se agravaria. Mesmo com esse desgaste inicial, acredito que a sociedade em modo geral tem conhecimento sobre a forma como o governador Mauro Mendes recebeu o estado e que seu maior foco, além do reajuste da máquina pública, é assegurar a melhoria dos serviços públicos. Confio em dias melhores, com muito trabalho.

 

MidiaNews - Em meio a esse processo de discussão dos projetos na Assembleia, muitos afirmaram que faltou diálogo por parte do governador. Como a senhora vê a postura do Mauro? Pensa que ele agiu de forma correta?

 

Virgínia Mendes - Não vejo dessa forma. Mauro sempre foi defensor do diálogo. Nesse caso, em específico, sobre as primeiras mensagens enviadas à Assembleia Legislativa, o que eu sinto é que ele precisava ser muito racional e ágil para garantir a governabilidade de Mato Grosso. A situação da folha salarial só se agravaria mês após mês. E as medidas tomadas por ele foram, de fato, necessárias. Me dói ler certas críticas que fogem a compreensão sobre o grave momento pelo qual passa o estado de Mato Grosso, mas também me coloco no lugar das pessoas que nesse momento estão passando por todo tipo de dificuldade. Eu, particularmente, não esperava que esse início fosse tão delicado sob todos os aspectos, mas continuo convicta de que o Mauro conjuntamente com o vice Otaviano Pivetta e toda equipe são os mais preparados para retornar Mato Grosso aos trilhos do desenvolvimento.

 

MidiaNews - A senhora temeu que os protestos dos servidores impedissem a votação, que houvesse confronto?

 

Virgínia Mendes - A Assembleia é soberana para decidir sobre a aprovação ou não dos projetos enviados à Casa e, graças a Deus, encerramos esse capítulo com a aprovação dos projetos, sem nenhum tipo de violência. Aproveito esse espaço para agradecer a todos que colaboraram nesse sentido e que não permitiram que os confrontos no campo das ideias se tornassem práticas agressivas. Acompanhei, sim, preocupada, mas confiante que estávamos no caminho certo para viabilizar o controle das finanças estaduais. A aprovação das primeiras medidas de reajuste da máquina pública pela Assembleia Legislativa foi de suma importância para que Mato Grosso volte a atingir seu equilíbrio fiscal.

 

MidiaNews - Na avaliação da senhora, o Mauro foi a escolha correta para esse momento de grave crise no Estado?

 

Virgínia Mendes - Não tenho dúvidas de que tanto o Mauro quanto o seu vice, Otaviano, foram eleitos por esse motivo, por serem considerados a melhor opção para retomar o desenvolvimento estadual neste grave momento de crise, levando em consideração a experiência administrativa de ambos tanto na esfera pública como privada. Precisamos deste voto de confiança para que os resultados comecem a aparecer, tanto na melhoria dos serviços públicos como na regularização do custeio da máquina e dos restos a pagar, que fecharam o último governo na ordem de R$ 4 bilhões.

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

 

A primeira-dama e o governador, durante a solenidade de posse, no dia 1º de janeiro: "Apoiei a decisão do Mauro de se lançar candidato"

MidiaNews - A senhora teme que a situação financeira do Estado comprometa a gestão, no sentido de ele ter que passar quatro anos apagando incêndio e não entregando obras?

 

Virgínia Mendes - Agora não mais, pois os primeiros passos foram dados no sentido de permitir que a médio e longo prazo também sejam feitos investimentos em todas as áreas do governo. Outras medidas devem ser tomadas nos próximos meses, dentre elas a renegociação das dívidas públicas, o combate à sonegação de impostos, entre outras, para agregar nesta força-tarefa a favor de Mato Grosso como um todo. Tem um ditado muito certo: todos querem mudança, mas poucos querem mudar. Mas tenho fé e certeza que as mudanças serão melhores, inclusive para os servidores. Com equilíbrio no caixa, vai melhorar para o servidor e melhorar os serviços públicos que o Estado tem o dever de prestar ao cidadão.

 

MidiaNews - Em diversas oportunidades, o Mauro dá declarações dizendo da importância da família nas escolhas que ele faz. A senhora foi totalmente favorável à decisão dele em sair candidato ao governo?

 

Virgínia Mendes - Como sempre digo, somos uma família unida, um casal que olha para a mesma direção. Apoiei sim a decisão do Mauro de se lançar candidato ao governo, pois além da recuperação das nossas empresas que o possibilitava a dedicar-se a uma nova missão, todo o grupo político o incentivava por considerá-lo uma alternativa já testada e aprovada na gestão pública. A decisão de se lançar candidato foi justamente para que a população tivesse uma nova alternativa, mais experimentada, experiente e focada em resultados. Confio e sei que o Mauro é visionário e está extremamente dedicado aos trabalhos do Poder Executivo. E dentro da nossa empresa conseguimos nos organizar para isto também. Ao lado dos meus dois filhos mais velhos e da nossa qualificada equipe de trabalho, estamos conduzindo os negócios.

 

MidiaNews - Até que ponto a senhora influência nas decisões tomadas por ele?

 

Virgínia Mendes - Minha interferência, digamos assim, é em áreas em que atuo diretamente: familiar e empresarial. As construções de governo são construídas dentro do governo, baseadas em estudos, com a iniciativa do próprio governador e sua qualificada equipe. Não decido por ele, aliás ninguém decide. Mas ele é aberto ao diálogo e sabe ponderar todos os lados da balança. Minha atuação no Palácio Paiaguás é no sentido de contribuir nas áreas em que já tive experiências de atuação, como é o caso da área social.

 

MidiaNews- À época em que ele desistiu de disputar a prefeitura, falou-se muito – ao menos nos bastidores – que a senhora teria pedido para que ele recuasse da reeleição. O que há de verdade nisso?

 

Virgínia Mendes - Foi uma decisão conjunta e muito difícil, porém necessária naquele momento. Precisávamos nos dedicar à nossa família e aos nossos negócios. O compromisso do Mauro de honrar os 4 anos como Prefeito foi cumprido e na hora de avaliar a reeleição pesou muito os aspectos familiares. A verdade é que naquele momento nossa família e nossos negócios precisavam mais dele e foi isso que ocorreu.

 

Caroline De Vita/Assessoria

 

"Minha interferência ocorre em áreas que atuo diretamente: familiar e empresarial"

MidiaNews - O primeiro convite formalizado pelo governador para compor o secretariado foi a senhora. Como foi dizer não para o governador?

 

Virgínia Mendes - Confesso que é realmente mais difícil dizer não ao marido Mauro. Não ao governador empossado, e sim ao Mauro com quem convivo há 24 anos, inclusive comemoramos nosso aniversário de casamento na última segunda-feira (4). Até a véspera do anúncio da Rosamaria, Mauro esperava que eu assumisse. Tenho certeza que ele desejava muito que eu estivesse à frente da Setas. Mas eu precisava continuar à frente dos negócios da nossa família e temos os nossos três filhos, Ana Carolinne, Luis Antonio e Maria Luiza que precisam muito de mim também. Por isso não teria como eu acumular mais esta atribuição. E mesmo não aceitando o convite para compor o secretariado, estou por perto e fiz questão de indicar a Rosamaria [Ferreira de Carvalho] pela sua experiência e qualificada atuação na condução das políticas públicas voltadas à geração de emprego e renda e desenvolvimento social.

 

MidiaNews - A secretária da Setas é uma indicação da senhora. A senhora tem conversado com ela? E tem ido na Setas? Com que frequência?

 

Virgínia Mendes - Eu e Rosa estamos muito alinhadas. Faço questão de me inteirar sobre as conduções à frente da Pasta, sem tirar a autonomia dela nessas tratativas. Como já trabalhamos juntas também no período da Prefeitura de Cuiabá muitas diretrizes e conduções acabam sendo comuns e isso facilita bastante. Conversamos todos os dias e compartilhamos ideias e ajudo, na medida do possível que a minha agenda dentro da empresa permite, nos atendimentos. Vou trabalhar bastante em parceria com ela e com todos os demais secretários também.

 

MidiaNews - A secretária Rosamaria foi denunciada pelo Ministério Público Estadual (MPE) e virou ré na Justiça, em 2015. Houve acusação de envolvimento em suposto esquema de favorecimento em licitações. A senhora acredita que isso de alguma forma mancha a atuação dela no atual Governo?

 

Virgínia Mendes - De forma alguma. Minha relação com a Rosa é de longa data e na época pude também conversar com ela sobre este assunto. O que eu posso reiterar é que tão logo que ela desconfiou das irregularidades que ocorriam na Setas na gestão passada ela pediu exoneração. Cabe destacar também que o Ministério Público já se posicionou dizendo que não existia qualquer indício de ilicitude em sua conduta. O mesmo foi dito pela Corregedoria do Governo, no procedimento que foi aberto para investigar o caso. E até a ex-primeira-dama do Estado, Roseli Barbosa, já disse em seus depoimentos que a Rosa nunca teve qualquer tipo de envolvimento. Confio na índole e na capacidade de gestão dela. Tenho certeza que fará um grande trabalho à frente da Setas, valorizando os servidores com quem ela já teve oportunidade de atuar e implementando novas ações a favor daqueles que mais precisam do apoio do poder público.

 

 

De uma coisa a população mais carente pode ter certeza: sou extremamente sensível àqueles que não tem condições nem de comprar o básico para alimentar sua família

MidiaNews - À época em que o Mauro foi prefeito, a senhora não ocupou nenhuma secretaria, mas esteve  a frente de vários projetos, especialmente na área social. Pretende fazer o mesmo agora no Governo? Já tem em mente ideias ou projetos que pretende sugerir ao governador?

 

Virgínia Mendes - Assim como na Prefeitura, onde consegui ao lado de uma equipe maravilhosa realizar inúmeros projetos e ações que beneficiaram muitas pessoas, pretendo fazer o mesmo ao lado de Mauro Mendes no Governo do Estado. Agora com um alcance ainda mais abrangente. Além de atuar em parceria na Setas, pretendo contribuir com outras pastas que também desenvolvam projetos voltados ao público em situação de vulnerabilidade social, como também incentivar ações voltadas ao fomento do empreendedorismo e da geração de renda. Estamos reestruturando o antigo Núcleo de Ações Voluntárias (NAV). Queremos implantar um novo formato para que ele possa, de forma mais ampliada e eficaz, complementar as ações desenvolvidas na Setas e garantir com isso um melhor atendimento às famílias mato-grossenses. Em breve, teremos novidades, baseadas em experiências já consolidadas no cenário nacional. Mas posso antecipar que vou ter um olhar sensível às mulheres, especialmente àquelas que são vítimas de violência, à criança e ao adolescente, ao idoso, enfim, à família como um todo. Também quero realizar ações na área do atendimento à saúde, com foco nos pacientes renais, como transplantada sei da importância e quero batalhar por essa causa e por estas pessoas.

 

MidiaNews - Um dos carros chefes do Governador Pedro Taques nessa área foi o programa Pró-Familia. Ele será mantido no Governo Mauro? Ou a senhora acredita que se trata de assistencialismo?

 

Virgínia Mendes - Todas os projetos e ações que se mostrarem viáveis e com resultado não tem o porquê serem interrompidos. O que posso dizer neste momento é que estamos com 30 dias de Governo e pedi um relatório ampliado sobre o Pró-Família. Ele foi criado por meio de uma lei e, como tal, deve cumprir vários requisitos previstos nesta lei. Pedi aos técnicos da Setas que me apresentem se o programa cumpriu os requisitos e, a partir daí, iremos avaliar melhor. De uma coisa a população mais carente pode ter certeza: sou extremamente sensível àqueles que não tem condições nem de comprar o básico para alimentar sua família. E independente de qualquer coisa este cuidado com as famílias em situação de extrema vulnerabilidade nunca deixará de ser prestado.

 

Caroline De Vita/Gcom-MT

 

Virgínia em reunião com a secretária estadual de Trabalho e Assistência Social, Rosamaria Ferreira: "Eu e Rosa estamos muito alinhadas; já trabalhamos juntas"

MidiaNews - A mídia tem noticiado diariamente casos cada vez mais graves de violência contra as mulheres. Qual sua análise? Há alguma ação prevista pelo governo no combate a esse crime?

 

Virgínia Mendes - Realmente é triste quando vejo as estatísticas sobre feminicídio em Mato Grosso. É um problema complexo e que requer a atuação conjunta de várias instituições: iniciando pelo atendimento prestado pela política, seja ela militar ou civil, passando pelo Poder Judiciário, e finalizando com o atendimento multidisciplinar estas mulheres. Muitas precisam de oportunidades de qualificação, de alternativas de renda para sair da dependência financeira dos agressores. Há também o atendimento psicossocial, de retomada da autoestima. Estou, em conjunto com o Conselho Estadual da Mulher, com a OAB, com a Defensoria Pública e com a Delegacia Especializada da Mulher de Cuiabá, me inteirando de como está hoje o processo de atendimento a estas vítimas e principalmente o de saída estas mulheres do ciclo de violência. E quero trabalhar para implantar de fato uma rede de atendimento para estas mulheres. Sei que há uma experiência muito bem sucedida em Barra do Garças e vou me aprofundar neste assunto para que o Governo possa ter ações efetivas não só de combate, mas também de acolhimento e de  prevenção.

 

MidiaNews - Desde que o Mauro assumiu o Governo como tem sido a rotina da senhora? Dá para conciliar as tarefas de primeira-dama, mãe? Tem sobrado tempo para cuidar da senhora também?

 

Virgínia Mendes - O tempo é curto, mas temos que conciliar todas as atividades. Eu faço questão que a gente na maior parte dos dias almoce em família. Acompanho mais de perto a rotina da casa e dos filhos. Maria, que é nossa caçula, requer mais atenção, inclusive nessa fase de aprendizado escolar. Ana, que morou fora um tempo, voltou e me ajuda na empresa, então temos bastante coisa para decidir juntas. O Luis está terminando a faculdade em São Paulo e agora, no período das férias, esteve conosco na empresa, se inteirando e nos ajudando muito, por isso eu também viajo constantemente para lá. É uma rotina igual a de várias outras mães e mulheres que trabalham fora. Os cuidados com a saúde e bem-estar também são necessários. Ainda mais no meu caso, em que preciso sempre manter meus exames de acompanhamento em dia. Com foco e dinamismo, busco conciliar todas as atividades. Nem sempre é possível, mas essa é minha meta, valorizando e cuidando da nossa família: nosso bem maior.

 

MidiaNews- É de conhecimento público que a senhora se submeteu a um transplante renal e faz tratamento. Como está a saúde da senhora?

 

Virgínia Mendes - Me sinto bem, apta para desempenhar qualquer atividade na vida profissional. Claro que tenho algumas limitações em decorrência do transplante e procuro sempre me cuidar, conhecer e respeitar meus limites. O período mais complicado já passou e agora sigo a rotina de cuidados necessários para uma pessoa que só tem um rim e que passou por um transplante. Agradeço a Deus todos os dias pela minha saúde e pela oportunidade de viver ao lado dos meus familiares.

 

 

Fonte: midianews

Publicidade Áudio

Enquete

Você é a favor ou contra privatização da MT 130 entre Primavera do Leste a Paranatinga

A FAVOR

CONTRA

INDEFINIDO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE