Paranatinga, 17 de Agosto de 2019

Polícia

R$ 4,6 milhões

Polícia investiga origem de R$ 4,6 milhões apreendidos em avião de piloto italiano em MT

Publicado 17/07/2019 17:16:03


A Polícia Civil de Mato Grosso investiga a origem dos R$ 4,6 milhões que foram apreendidos em um avião que fez um pouso forçado em Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, no dia 30 de junho.

O piloto do avião, Francesco Turriziani, de 61 anos, foi ouvido e liberado pela polícia. Ele disse que usaria o dinheiro para comprar ouro em uma empresa que será aberta em Itaituba (PA).

A Polícia Civil disse que não foram encontrados registros criminais contra o piloto, no entanto, ele é investigado por lavagem de dinheiro e ocultação de bens (dinheiro e valores).

O delegado Vinícius Nazário, responsável pela investigação, disse que o dinheiro passa por um processo de classificação em um banco onde foi depositado.

 

“Isso é necessário para saber de onde saiu esse dinheiro, de qual banco e de qual lugar do país. Vamos ouvir as pessoas envolvidas nessa compra de ouro, que seriam sócios dele [do piloto] que moram em Sorocaba (SP)”, disse o comentou ao G1.

 

Os supostos sócios serão ouvidos por meio de carta precatória. Uma equipe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) fez uma perícia no avião, mas o delegado ainda não recebeu o relatório do órgão.

 

O avião foi apreendido pela polícia e lacrado.

 

O caso

 

O avião, Cesnna 206 T, prefixo PR-RMHano 2005, fez pouso forçado em um aeroporto rural a 5 km de Alta Floresta.

De acordo com a Polícia Civil, apenas o piloto estava na aeronave.

Ele saiu de Sorocaba, em São Paulo, com destino a Itaituba. O avião faria duas paradas de abastecimento, sendo uma em Jataí, em Goiás, onde o piloto percebeu o problema na aeronave.

Mesmo assim ele seguiu a viagem com a próxima parada em Alta Floresta, local onde fez o pouso forçado.

Moradores ligaram para a polícia dizendo que um avião havia ''caído'' no aeroporto. Os policiais foram ao local e encontraram o piloto embarcando em um táxi.

 

No avião a polícia encontrou seis malas contendo uma enorme quantia em dinheiro, totalizando R$ 4.679.750.

O advogado do piloto afirmou que Francesco atua como parceiro do proprietário da empresa de compra de ouro, que vai começar a atuar em breve no município paraense.

Conforme a defesa, o piloto pegou o dinheiro em Sorocaba (SP) do proprietário da empresa, que também é dono de um táxi-aéreo e teria vendido um jato.

O advogado afirmou que Francesco mora em São Paulo desde que tinha 3 anos de idade, é piloto de profissão, vende aviões e concordou com a quebra de sigilo bancário.

 

Fonte: G1

Publicidade Áudio

Enquete

Você aprova ou não? Vereadores de MT tentam mudar nome de Portão do Inferno para Portal Paraíso

SIM

NÃO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE