Paranatinga, 24 de Outubro de 2017

Polícia

Polícia diz ter pista "contundente" sobre os assassinos

Douglas da Silva Dantas foi morto na quarta-feira; criminosos enviaram fotos e vídeo para a família

TAXISTA DEGOLADO | 10/08/2017 16:13:02


A Polícia Civil já tem os nomes de suspeitos do assassinato do taxista Douglas da Silva Dantas, de 34 anos, na madrugada de quarta-feira (9), na região de Barreiro Branco, na zona rural de Cuiabá.

 

A Polícia estava realizando buscas pelo corpo desde a noite de terça-feira (8), após familiares terem recebido fotos e vídeos da vítima sendo assassinada. Os executores se identificaram como membros da organização criminosa Comando Vermelho.

 

De acordo com o delegado André Renato Gonçalves, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), ainda não há a confirmação se o crime tenha mesmo ligação com uma facção criminosa.

 

“Para gente saber se ele pertence a alguma facção, só no deslinde da investigação. Não posso dizer ainda se ele pertencia a alguma organização criminosa ou se os executores [pertencem]. O que eu posso dizer é que, como qualquer homicídio, a DHPP vai investigar. Independentemente se ele está ligado a alguma facção criminosa, organização, milícia ou grupo de execução, seja quem for o autor” disse.

 

O delegado ainda relatou que há informações contundentes a respeito da identificação dos autores do crime.

 

Além disso, os familiares e amigos devem ser ouvidos formalmente a partir da semana que vem.

 

“As investigações estão ocorrendo em sigilo absoluto, para que não atrapalhe o resultado. Mas a DHPP já trabalha com informações contundentes com relação a autoria do crime”, relatou.

 

O crime

 

O corpo de Douglas foi encontrado próximo a uma lagoa, em um aterro sanitário. Ele estava degolado e com diversas perfurações pelo corpo, conforme a Polícia Civil.

 

O taxista estava ao lado de um VW Gol vermelho, com placas de Cuiabá, quando foi localizado por uma equipe da PM.

 

Ele foi encontrado após denúncia feita por familiares - entre eles, a esposa, o pai e o irmão do taxista -, que informaram ter recebido fotos e vídeo do corpo do taxista.

 

“Primeiro, mandaram umas fotos dele amarrado; depois, mandaram outra, praticamente decapitado. O irmão dele foi à delegacia pedir apoio para as buscas, na noite de terça-feira”, disse um policial militar, que pediu para não ser identificado.

 

A suspeita é de que o homem era membro do Primeiro Comando da Capital (PCC) e tenha sido executado por membros da organização criminosa Comando Vermelho.

 

Um vídeo que circula em aplicativos de mensagens mostra o momento em que o taxista é degolado. Nas imagens, homens afirmam que o crime está relacionado à organização criminosa. "Aqui é Vermelhão. Missão cumprida, é assim que 'nós faz'", diz um homem.

Fonte: MidiaNews

FACEBOOK