Paranatinga, 16 de Dezembro de 2018

Polícia

Justiça

Depois de ser espancada e ex-marido ser solto, mulher se revolta e faz postagem cobrando Justiça

Publicado 12/03/2018 18:15:11


A rondonopolitana Angela Dias fez uma postagem em seu perfil no Facebook denunciando a agressão que sofreu de seu ex-marido, Valério Antônio Alves, no último dia 5 de março em Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). O homem foi preso em flagrante, mas acabou sendo solto por uma juíza que teria argumentado que o suspeito ainda não foi sentenciado. Revoltada, ela decidiu compartilhar a história. A Justiça, no entanto, proibiu que o suspeito se aproxime da vítima.

De acordo com Angela, a agressão aconteceu no dia 5 de março. Ela e o ex-marido já estavam separados há mais de 1 ano e 4 meses e então tiveram a discussão. A vítima disse que procurou a Polícia Civil e o agressor foi preso no mesmo dia.

Ela conta que, no entanto, um juiz decidiu pela soltura do ex-marido, argumentando que o homem não ameaçou a vítima. indignada, Angela ainda questionou a efetividade da lei Maria da Penha e disse estar revoltada com o Fórum de Rondonópolis.

“Muitas vezes a sociedade diz q a mulher não denúncia. Mas quando denunciamos o canalha, sai impune. Mas estou aqui porque eu quero justiça e quero q vocês me ajudem na divulgação pra colocar esse canalha na cadeia, já que o juiz de Rondonópolis soltou”, diz a vítima.

Ao final do texto Angela ainda aconselha as mulheres a não terem medo e denunciarem as agressões que sofrerem. “Vamos mostrar que podemos sim requerer Justiça através das redes sociais. Vamos compartilhar até a justiça ser feita”, desabafou.

A postagem já obteve mais de 460 compartilhamentos. Nos comentários os amigos de Angela também manifestaram sua revolta e seu apoio à vítima.

O suspeito Valério Antônio Alves passou por audiência de custódia no dia da prisão e a juíza Maria Mazarelo Farias Pinto, da Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, concedeu liberdade provisória ao ex-marido da vítima por não encontrar “fatos que demonstrem a necessidade do indiciado permanecer segregado para a garantia da ordem pública”.

Na decisão a juíza alega que “a liberdade provisória é a regra, sendo a prisão medida de exceção, que deve ser aplicada com parcimônia” e que o suspeito só deve ser preso após a sentença.

“A prisão processual, por sua natureza necessariamente cautelar, não pode ser determinada pela espécie ou pela suposta gravidade do delito atribuído ao indiciado, até porque a efetiva ocorrência do delito, por maior que seja a probabilidade desta ocorrência, só poderá passar do terreno das hipóteses para o plano concreto quando da cognição definitiva do mérito, a ser feita no momento da sentença”.

No entanto, a juíza decidiu que Valério deve comparecer bimestralmente em Juízo, para justificar suas atividades e local de moradia, mas também está proibido de se aproximar da vítima, manter contato com a vítima ou frequentar a residência dela, de seus familiares, residência das testemunhas e o local de trabalho dela.
 

 

Fonte: OLHAR DIRETO

Publicidade Áudio

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE