Paranatinga, 25 de Abril de 2019

Polícia

morte de amante

Defesa confirma que mulher encomendou morte de amante mas nega homicídio de marido: “era estuprada”

Publicado 29/01/2019 12:22:06


A defesa de Cléia Rosa dos Santos, suspeita de encomendar a morte do marido, Jandirlei Alves Bueno, de 39 anos e o amante, Adriano dos Santos, em 2016, rebateu as acusações feitas pela polícia de que ela seria a mandante dos dois crimes. Segundo o advogado Erick Rafael da Silva Leite, que a representa, a mulher só é culpada de um dos crimes, mas só o cometeu porque “se viu sem saída para frear as agressões e estupros que sofria”. Pela suspeita de ter envolvimento na morte do marido, Cléia ficou conhecida como "viúva negra". 

 
Em entrevista ao Olhar Direto, o advogado explicou que Cléia tinha um relacionamento com Jandirlei, com quem foi casada e teve dois filhos e acabou se envolvendo em um relacionamento extraconjugal. “O Adriano e o marido dela eram muito amigos, trabalhavam no mesmo local. Porém, ele acabou se apaixonando por ela e viu uma oportunidade – quando ele e Jandirlei foram até uma casa de prostituição – de conseguir algo utilizando disto”.
 
“Esta foi a oportunidade que ele [amante] queria para ficar com ela. Disse que o marido a estava traindo e que poderia provar, mas só se ela mantivesse relação sexual com ele após isto”, disse o advogado. A defesa acrescenta que Cléia então topou ‘pagar o preço’ e quando descobriu que Jandirlei a estava traindo, resolveu se relacionar com Adriano.
 
O advogado explica ainda que os dois ficaram duas vezes, mas depois Cléia resolveu acabar com o relacionamento extraconjugal, já que ela se reconciliou com o marido. Eles viveram um ano sem atritos, até que houve a invasão na casa do casal, que culminou no atentado contra Jandirlei.
 
“O Jandirlei ficou dois meses no hospital. Durante 49 dias, ele ficou perfeito, conversando. Durante a investigação, não se achava nada e neste meio tempo ele disse ter ouvido a voz do Adriano na casa. Acho isto, com todo respeito, um pouco absurdo. É psicologicamente comprovado que, em momentos de conflito e grande emoção, há um distúrbio rápido no cérebro, é difícil identificar uma voz”, comentou o responsável pela defesa.
 
Ainda segundo a defesa, Jandirlei morreu por conta de uma cirurgia não realizada. Esta informação, segundo ele, consta do depoimento do médico que atendeu o marido de Cléia. Após a morte dele, a polícia começou a realizar interceptações telefônicas e viram que a acusada e o amante voltaram a se relacionar.
 
“Adriano era muito possessivo. Só no tempo em que eles ficaram junto que ela foi perceber isto e não quis mais ficar com ele, que a agredia e a estuprava constantemente. Ele ameaçava matar os filhos dela se houvesse qualquer tipo de denúncia. Virou um transtorno psicológico”, disse o advogado.
 
Certo dia, Adriano teria dito para Cléia que foi ele o responsável por matar Jandirlei. “Foi então que ela ficou com muita raiva e articulou toda a morte do amante. Ela acreditou que seria a última saída. Ela contratou uma pessoa, que se juntou a outra e armou o esquema para matá-lo. Foi ela quem deu sonífero para o Adriano e os dois rapazes vieram e concluíram o homicídio. Ela não viu nada”, argumenta o advogado.
 
“De fato, ela matou o Adriano, mas não o fez com Jandirlei. A linha dos autos demonstra isto, não há qualquer prova concreta de que foi ela quem mantou o marido. Só os familiares é que dizem que ouviram falar e uma pessoa que apareceu dizendo que ela tentou contratar alguém para matar o marido. Como que ultrapassado um ano e meio, uma pessoa chega e fala isto, se nem o Jandirlei eles conheciam, já que seriam contratados para matar Adriano”, acrescenta Erick Rafael.
 
A defesa pontua que, durante as interceptações, não houve nada que indicasse o conluio dos dois para matar Jandirlei. “Vamos lutar constantemente para absolvê-la no tribunal do Júri no caso da morte do Adriano. Porém, ela não tem nada a ver com o homicídio do Jandirlei. Existe uma tese de inexigibilidade de conduta adversa. Qualquer pessoa naquela condição faria isto. Existe um momento em que o cidadão vai estourar. Diante de tudo que ela passou, em favor dos filhos, da mãe, se viu obrigada a isto”.
 
O advogado também crê na hipótese de que a morte de Jandirlei tenha sido planejada por Adriano, na intenção de que a mulher ficasse com ele. Por fim, a defesa também crê que a prisão preventiva da acusada também é muito extensa, já que ela está detida há quase um ano.
 
O Júri deve ser pronunciado nas próximas semanas. Enquanto isto, Cléia continua a aguardar o julgamento presa. A defesa tentou usar a tese de que ela teria que criar os filhos, o que não foi aceito no Habeas Corpus.
 
O caso
 
Uma mulher identificada como Cléia Rosa dos Santos, de 34 anos, foi presa em março do ano passado, acusada de mandar matar o marido, Jandirlei Alves Bueno, de 39 anos, em Sinop (480 km de Cuiabá). O crime foi cometido por seu então amante em 2016 em uma simulação de um latrocínio. Um ano depois ele também foi assassinado – conforme a polícia - a mando da suspeita, que contou com a ajuda de dois guardas noturnos.
 
Ambos foram presos e, assim como Cléia, confessaram a participação no crime. Os restos mortais do amante foram localizados enterrados em uma área de mata. A vítima, de acordo com a polícia, é Adriano dos Santos, 20 anos. Na mesma vala, os assassinos enterraram uma motocicleta, que foi encaminhada junto a ossada para análise da Perícia Oficial de Identificação Técnica (Politec). 
 
Neste crime, Cléia teria dopado o amante até que os executores chegassem ao local. Adriano foi morto com golpes de enxada. A suspeita é que o amante passou a ameçá-la.
 
Jandirlei, por sua vez, foi atingido por dois golpes de faca, em outubro de 2016, chegando a permanecer internado no Hospital Regional por quase dois meses, falecendo em seguida. Na data do crime a mulher contou à polícia que estava em casa com o marido quando foram rendidos por dois assaltantes. Diante de uma reação do homem, os bandidos então teriam o esfaqueado.

 

 

Fonte: Olhar Direto

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE