Paranatinga, 19 de Abril de 2019

Paranatinga

TCE

Ex-gestor do Paranatinga-Previ e empresas terão que devolver R$ 416 mil ao erário

Publicado 17/10/2018 16:47:16


 

 

O ex-diretor executivo do Fundo Municipal de Previdência dos Servidores de Paranatinga (Paranatinga-Previ), Leonildo Fabian, de forma solidária com a empresa Quality Consultoria e Assessoria e os ex-administradores da EURO DTVM S/A, João Luiz Ferreira Carneiro, Jorge Luiz Chrispim e Sérgio de Moura Soeiro, devem restituir aos cofres do Fundo a quantia de R$ 416.885,67. O valor é referente ao prejuízo causado ao Paranatinga-Previ por irregularidades praticadas pelos envolvidos na compra e venda de títulos públicos federais.

Além da restituição do valor do prejuízo ao erário, os envolvidos foram condenados ao pagamento de multas individuais de 10% sobre o valor do dano causado ao erário. A quantia deve ser atualizada monetariamente desde a data da ocorrência do dano, fixada em 23/01/2008, data da última compra e da última venda de títulos públicos federais.

 

A decisão é da 2ª Câmara do Tribunal de Contas de Mato Grosso, que em julgamento de Representação de Natureza Interna (Processo nº 123013/2015), na sessão ordinária de terça-feira (16/10), comprovou a ocorrência de irregularidades que resultaram em prejuízo ao Paranatinga-Previ.

 

Para alcançar os ex-administradores da empresa, o relator da RNI, conselheiro interino João Batista Camargo, desconsiderou a personalidade jurídica da empresa EURO DTVM S/A, que ficará restrita aos valores suficientes para proporcionar o ressarcimento ao erário.

 

No voto, o relator destacou que "o fato é inconcebível, tendo em vista que o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) é responsável pela salvaguarda da sobrevivência dos seus servidores quando da inatividade.

 

É, pois, um seguro que garante renda ao trabalhador e seus dependentes nos casos de doença, desemprego, acidente, morte, velhice, gravidez, aposentadoria, prisão. Ou seja, não se trata "apenas" de dinheiro público, é um real direito e garantia dos servidores".

 

Também foi determinado pelos membros da 2ª Câmara o envio de cópia dos autos ao Ministério Público Estadual, para apuração de indícios da prática de atos de Improbidade Administrativa.

 

Conforme o relator, é "impossível não determinar que os prejuízos suportados pelo Paranatinga-Previ sejam sanados e, ainda, punir de forma exemplar os envolvidos, para que fatos dessa ordem não se repitam".

Fonte: TCE

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE