Paranatinga, 26 de Abril de 2019

Mundo

PRESO NA BOLÍVIA

Terrorista esteve em Sinop, Lucas e Cáceres, diz imprensa italiana

Publicado 16/01/2019 10:14:01


REDAÇÃO

 

Durante sua fuga do Brasil em direção à Bolívia, no final de 2018, o terrorista Cesare Battisti passou por Sinop, Lucas do Rio Verde e Cáceres, segundo investigações realizadas por autoridades italianas. A informação foi divulgada pela imprensa do País europeu, onde ele foi condenado à prisão perpétua.

 

Batisti foi preso no sábado (12) na cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra e já foi levado para a Itália.

 

De acordo com uma reportagem do jornal Il Messaggero, um dos mais importantes do País, a localização de Battisti estava sendo rastreada através do aparelho de celular dele e de pessoas que o auxiliavam na fuga.

 

Através dos rastreios, a polícia italiana descobriu que no dia 15 de dezembro, Battisti embarcou em um vôo de São Paulo para Sinop. Outras movimentações foram identificadas, primeiro em Lucas do Rio Verde, segundo o Il Massagerro.

  

Já o site Occhi Dela Guerra diz que em Sinop Battisti cometeu um erro ao conectar seu celular à rede wi-fi do Aeroporto, deixando rastro para as autoridades que o caçavam.

 

Antes da chegada de Batisti à Bolívia, as autoridades italianas também detectaram sua passagem por Cáceres, na fronteira.

 

“Battisti é parado e levado para a delegacia. Ele entende que acabou, mas continua a pensar como um clandestino: quando os policiais perguntam se ele quer ir e pegar suas coisas, se recusa e não revela onde passou os últimos dias, protegendo aqueles que o protegeram”, encerra a reportagem do Il Messaggero.

 

A tragetória 

 

Battisti foi condenado à prisão perpétua pela acusação de quatro assassinatos na Itália, na década de 70: contra um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro de Milão (o filho do joalheiro ficou paraplégico, depois de também ser atingido).

 

Na época, ele integrava a organização PAC (Proletários Armados Pelo Comunismo).

 

Após ser detido em Milão, Battisti foi preso em 1979 e fugiu em 1981. Em 1993, foi condenado à revelia à prisão perpétua por dois homicídios e por cumplicidade em outros dois, cometidos em 1978 e 1979.

 

Depois de passar pelo México, encontrou refúgio na França entre 1990 e 2004, graças à proteção do ex-presidente socialista François Mitterrand, que se comprometeu a não extraditar nenhum militante de extrema esquerda que tivesse renunciado à luta armada.

  

Em 2004, com um novo governo na França, o terrorista fugiu para o Brasil com uma identidade falsa.

 

Depois de três anos vivendo na clandestinidade, em 2007 foi detido no Rio de Janeiro e ficou quatro anos na prisão.

 

Em 2009, o Supremo Tribunal Federal autorizou sua extradição, mas deixou a decisão final nas mãos do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que acabou rejeitando.

 

Em dezembro do ano pasado, o ex-presidente Michel Temer autorizou sua extradição após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux determinar a prisão do italiano. Battisti voltou à clandestinidade e, neste sábado (12), foi preso em Santa Cruz de la Sierra, no leste da Bolívia.

 

 

Fonte: Mídia News

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE