Paranatinga, 26 de Abril de 2019

Mundo

USA

“Alegação de que Rússia interferiu nas eleições é ridícula”

Publicado 12/12/2016 11:43:07


O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou, em uma entrevista ao canal Fox News, que as alegações de que a Rússia interferiu nas eleições para impulsionar sua candidatura são "ridículas" - descrevendo o caso como outra "desculpa" dos Democratas para explicar sua vitória.

 

"É apenas outra desculpa. Eu não acredito", disse. Esta foi a primeira entrevista para a Fox News desde que Trump ganhou as eleições.

 

Trump reforçou sua promessa de que irá impor uma tarifa de 35% sobre negócios que moverem empregos para o exterior e disse que a redução de impostos e regulações irá prevenir as empresas de sair dos EUA.

 

O presidente eleito falou sobre o processo de escolha da equipe de seu governo, defendendo sua decisão em favor de vários generais do exército para cargos importantes.

 

A expectativa no momento é pelo anúncio do Secretário de Estado. Trump elogiou Rex Tillerson, diretor-executivo da ExxonMobil e sua provável escolha para o cargo. Segundo Trump, Tillerson seria um secretário de Estado de "primeiro mundo", que "faz grandes acordos na Rússia" e conhece diversos líderes mundiais.

 

O presidente eleito também afirmou que quer uma cooperação maior com a China em diversos temas como comércio, câmbio, a questão no Mar do Sul e a relação com a Coreia do Norte.

 

O magnata também prometeu "limpar" e "avançar" o trabalho nas agências governamentais, sem necessariamente desmantelar o legado do presidente Barack Obama.

 

Segundo a Fox News, Trump tentou ser cuidadoso para não criticar pessoalmente Obama sobre a análise das agências de inteligência em relação ao hackeamento durante as eleições. Entretanto, o presidente eleito deixou claro que rejeita a avaliação das agências até o momento.

 

"Ninguém realmente sabe o que aconteceu e o hackeamento é muito interessante. Assim que é feito, se você não os pega (hackers) no ato, você nunca mais os pegará", disse. "Eles (governo) não têm a mínima ideia se é a Rússia, a China ou alguém. Pode ser alguém sentado numa cama em qualquer lugar", afirmou.

 

Trump realizou esses comentários em resposta a uma reportagem do Washington Post de que a CIA concluiu uma avaliação secreta de que a Rússia interferiu nas eleições para impulsionar Trump, não apenas para prejudicar a confiança no sistema.

 

O presidente eleito também rebateu críticas de que seus negócios pessoais criarão um conflito de interesse quando ele assumir o governo e afirmou que "os executivos vão cuidar disso com meus filhos" e que ele "não terá nenhum envolvimento com a administração" dos negócios, segundo a Fox News.

 

Trump afirmou que está planejando uma coletiva de imprensa na quinta-feira para explicar como irá se separar de seus negócios pessoais. Entretanto, sua equipe de transição não explicou como será essa estrutura.

 

O magnata nova-iorquino disse que recusou "sete acordos comerciais com um grande player" na semana passada, pois achou que poderia "ser visto como conflito de interesse".

 

Trump ainda afirmou que está "com a mente aberta" em relação as questões de mudanças climáticas e está "estudando" o acordo climático de Paris para a redução da emissão de carbono. Entretanto, ele não quer que o acordo coloque os EUA "em uma desvantagem competitiva com outros países".

 

 
 

Fonte: Estadão

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE