Paranatinga, 19 de Abril de 2019

Meio Ambiente

MEIO AMBIENTE

MPE investiga decreto da AL que reduz área da reserva extrativista Guariba-Roosevelt

Publicado 12/02/2017 11:49:47


O Decreto nº 51 aprovado pela a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) no dia 21 de dezembro do ano passado está sob investigação do Ministério Público Estadual (MPE). O documento teve poder de redução da área da Reserva Extrativista (Resex) Guariba-Roosevelt, localizada entre os municípios de Colniza e Aripuanã.

A Resex Guariba-Roosevelt é a única desse tipo em Mato Grosso. O MPE entendeu que a redução da reserva implicaria em um “retrocesso ambiental” que poderia causar danos a natureza e a comunidade extrativista que mora na região.

A publicação da Assembleia teve efeito de sustar o decreto governamental nº 59, publicado no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso no dia 13 de abril de 2015. O texto do documento previa que a área da reserva fosse ampliada em mais de 100 mil hectares.

Resex Guariba Roosevelt

A Reserva Guariba-Roosevelt foi criada em 1996 com área total de 57.630,00. A reserva fica no noroeste mato-grossense e é utilizada para subsistência de comunidades extrativistas da região. As comunidades aproveitam a floresta como fonte de subsistência, através da caça, pesca, agricultura, a extração da castanha-do-Brasil, o látex e o óleo de copaíba. 

Com o decreto assinado pelo governador Pedro Taques, a reserva passaria a ter 164.224 hectares protegidos do interesse de madeireiros e agricultores locais. 

Investigação

Com o inquérito civil, aberto no dia 2 de fevereiro, o Ministério Público quer entender a legalidade do ato do sancionado pela Assembleia. A promotora Ana Luiza Avila Peterlini de Souza, autora da portaria, quer entender os motivos pelos quais o Legislativo reduziu a área de proteção aumentada pelo governo estadual.

Na portaria que instaura a investigação, a promotra também requer que a ALMT apresente todos os documentos referentes ao ato. Além disso, Peterlini exige uma cópia integral do processo que culminou na assinatura do decreto.

Outro lado

De acordo com a assessoria da Assembleia, o problema da reseva se arrasta desde a sua criação. O parlamento alega que o principal problema está no aumento da área da reserva por meio de decretos prublicados pelo Governo do Estado. 

O aumento da área foi feito a partir da anexação da área central, que os extrativistas reivindicam como parte da reserva. A data de criação, no entanto, prevê que a área seja apenas no entorno do rios Guariba e Roosevelt e não das terras localizadas entre os dois. 

Os extrativistas, em contrapartida, alegam que não participaram das discussões que ocasionou no ato de criação da Resex e que a área foi desenhada sem que eles fossem consultados. O entendimento da Assembleia é que o território permaneça semelhante ao originário do primeiro decreto. 


"O fato de o MP ter instaurado inquérito foi pela provocação dessa comunidade tradicional, que se sentiu fora do contexto das discussões. A área da reserva, no entendimento da Procuradoria, se restringe entre os rios Guariba e Roosevelt", contou a assessoria do legislativo estadual. 

 

Fonte: Olhar Jurídico

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE