Paranatinga, 19 de Janeiro de 2019

Mato Grosso

CUBANOS

MT pode perder 132 médicos em 55 municípios, diz Governo

Publicado 20/11/2018 14:20:38


A Secretaria de Estado de Saúde informou, nesta segunda-feira (19), que há em Mato Grosso 132 cubanos atuando no programa Mais Médicos, do Governo Federal.

 

Ainda conforme a Pasta, estes profissionais atuam em 55 municípios, que deverão ser prejudicados com a retirada destes profissionais por parte do governo cubano.

 

“Esclarece que quanto a provável substituição desses profissionais, isso é de exclusiva responsabilidade e atribuição do Ministério da Saúde, que e quem coordena o Programa em todo o País”,  afirmou a Secretaria.

 

“A SES/MT ainda não tem informação de como se dará a retirada desses profissionais do programa e nem como será a estratégia de substituição desses médicos”.

 

O Programa Mais Médicos é parte de um amplo esforço do Governo Federal, com apoio de estados e municípios, para a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Além de levar mais médicos para regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais, o programa prevê, ainda, mais investimentos para construção, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), além de novas vagas de graduação, e residência médica para qualificar a formação desses profissionais.

 

Na última quarta-feira (14), Cuba anunciou que vai se retirar do programa Mais Médicos, que durante cinco anos tem enviado especialistas de saúde da ilha ao Brasil, depois que o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que iria modificar os termos de colaboração da iniciativa e estabeleceu condições ao governo cubano.

 

Bolsonaro comparou a atuação dos médicos cubanos no programa a trabalho escravo e garantiu que, quando assumir o governo, "o cubano que quiser pedir asilo aqui vai ter".

 

"Eu jamais faria um acordo com Cuba nesses termos. Isso é trabalho escravo, não é nem análogo à escravidão, é trabalho escravo, não poderia compactuar com isso daí", disse Bolsonaro em entrevista coletiva em Brasília.

 

O presidente eleito também questionou a capacidade dos médicos cubanos, afirmando aos jornalistas "duvidar" que alguém quisesse ser atendido por um dos profissionais de saúde da ilha e afirmando ter relatos de "barbaridades" cometidos por médicos cubanos no país.

 

A televisão estatal cubana informou, ao ler comunicado do Ministério de Saúde de Cuba, que Bolsonaro, "com referências diretas, depreciativas e ameaçadoras à presença de nossos médicos, tem declarado e reiterado que modificará os termos e condições do programa Mais Médicos, com desrespeito à Organização Pan-Americana da Saúde e ao que foi acordado por esta com Cuba".

 

Fonte: Midia News

Publicidade Áudio

Enquete

Qual obra é mais importante para Paranatinga em 2019.

SAÚDE

PRAÇA CENTRAL

ASFALTO

ILUMINAÇÃO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE