Paranatinga, 21 de Março de 2019

Mato Grosso

MISS MT

De origem humilde, Miss MT virou modelo pra ajudar a família

Publicado 24/02/2019 23:31:28


 

De origem humilde, Miss MT virou modelo para ajudar a família

Criadora de projeto para ajudar dependentes químicos, Ingrid Santin cresceu em uma favela no PR

Acervo Pessoal

 

A modelo Ingrid Santin, de 25 anos, que foi eleita Miss Mato Grosso 2019

BIANCA FUJIMORI

DA REDAÇÃO

Com pai caminhoneiro e mãe dona de casa, a nova Miss Mato Grosso Ingrid Santin, de 25 anos, contou que viu na carreira de modelo uma oportunidade para ajudar a família.

 

A estudante de Odontologia revelou que foi descoberta por um "scouter" – pessoa que identifica candidatos a modelos – quando saía do colégio estadual onde estudava, aos 15 anos.

 

“O convite surgiu e eu vi uma porta para, realmente, poder ajudar e dar uma vida melhor para a minha família”, afirmou, em entrevista ao MidiaNews.

 

Natural de Foz do Iguaçu (PR), até os oito anos, Ingrid foi criada em uma favela com a criminalidade morando na casa ao lado.

PUBLICIDADE

 

 

 

 

“Era um bairro muito difícil. A gente tinha vizinhos traficantes”, disse.

 

Em busca de uma vida melhor, seu pai recebeu uma oportunidade de emprego na Europa. No entanto, ao chegar ao continente, ele percebeu que caiu em um golpe de falsa proposta de emprego, que era comum na época. 

 

Acervo Pessoal

 

Ingrid Santin diz que mundo da moda não é um conto de fadas

“Meu pai passou muito 'perrengue' lá. Um dia ele conseguiu se legalizar, depois de um ano e quatro meses, e levou a gente para lá: minha irmã, minha mãe e eu”, contou a miss.

 

Depois de seis anos em Portugal, o desejo de voltar para a terra natal foi mais forte. Ingrid disse que seu pai era caminhoneiro na Europa, mas o sonho dele era seguir a profissão no Brasil.

 

Como Mato Grosso possui grande atividade no agronegócio, a família viu uma oportunidade de se estabelecer. Foi assim que a estudante passou a morar em Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá).

 

Flashes e holofotes

 

 

 

Ingrid seguiu a carreira de modelo durante dez anos e viajou para países como a Argentina, Chile e Uruguai e representou grandes marcas, como Ana Hickmann e Colcci. Apesar disso, a vida nas passarelas também não foi nada fácil para a Miss Mato Grosso.

 

“Eu viajei e vi que o mundo da moda não é tudo isso, não é o conto de fadas que parece ser. É muito difícil. O padrão é muito complicado, não é fácil de fazer dinheiro, tem muita concorrência, são muitas meninas. É mais o glamour, eu diria”, revelou Ingrid.

 

Segundo ela, outra dificuldade é conseguir manter o rígido padrão de vida de modelo. Ingrid contou que tinha muitas restrições alimentares e precisava trabalhar duro para conseguir manter o perfil.

 

Contudo, mesmo com as viagens e trabalhos, ela nunca deixou de estudar. Ela fez a primeira faculdade à distância de Gestão de Recursos Humanos. Porém, seu grande sonho era cursar Odontologia.

 

Quando soube que o curso já estava disponível em Rondonópolis, ela percebeu que era hora que parar de viajar e realizar o seu sonho, além de ficar perto da família. Agora, a Miss Mato Grosso está no quarto semestre de Odontologia e se desdobra para conciliar as duas vidas.

 

Projeto social

 

Com apenas 12 anos, Ingrid já era engajada a ajudar pessoas necessitadas. Sua mãe chegou a trabalhar no Centro de Deficientes Profundos e a modelo sempre a acompanha quando estava de férias da escola.

 

“Lá eu comecei a ter interesse, ao ver o sofrimento do próximo, de querer mesmo ajudar. E eu falava, quando era mais nova, que eu queria montar cinco casas de acolhimento para deficientes, idosos, crianças, animais e moradores de rua”, disse entre risadas, ao relembrar das ideias de criança.

 

Há três anos, ela juntou um grupo de amigos e visitou diversas instituições de apoio a crianças, idosos e dependentes químicos. A ideia inicial era realizar uma campanha, a cada três meses, de arrecadação de doações para as casas.

Acervo Pessoal

 

A modelo Ingrid Santin, emocionada ao receber título de Miss Mato Grosso 2019

 

Quando a modelo visitou a Casa Esperança de Rondonópolis, que ajuda dependentes químicos, ela se encantou com o trabalho e percebeu que eram essas pessoas que ela queria ajudar.

 

“Infelizmente, são pessoas que não tem apoio da sociedade, são julgadas, são criticadas. É mais fácil você pedir doações para crianças e idosos do que para dependentes químicos em recuperação. Quando eu vi o quão difícil é essa luta, eu resolvi abraçar apenas essa causa”, explicou.

 

Depois disso, ela criou o Projeto Arco-Íris, no qual é embaixadora, para ajudar dependentes químicos. Ela contou que encontrou muita resistência das pessoas ao pedir ajuda para o seu projeto. Com isso, ela resolveu entrar no Mundo Miss para dar visibilidade para a ação social.

 

“Quando eu decidi disputar em Rondonópolis, a minha ideia era divulgar esse projeto. Eu vi como uma porta de divulgação mesmo. Não vi pela beleza, pelo glamour. Eu sabia que se eu tivesse uma visibilidade maior, o projeto também teria”, afirmou Ingrid. 

 

Miss Mato Grosso 2019

 

Ingrid contou que recebeu a proposta de concorrer a Miss Rondonópolis 2019 do fotógrafo Junior e do produtor Gustavo.

 

“Eles que me convidaram para participar do concurso. Eles que sempre acompanharam o Mundo Miss e que foram me incentivando e me ajudando em tudo. E minha família, que é o meu norte”, afirmou.

 

Apesar de todo o glamour envolvendo o concurso, Ingrid contou que sempre esteve muito focada no que queria.

 

“Quando eu decidi participar, eu já comecei uma pequena preparação, mas eu estava muito focada, muito ciente do que eu queria. Eu fui preparada para ganhar e para perder”, disse.

 

Apesar do concurso de Miss ser o sonho de muitas garotas, a modelo buscou divulgar o seu projeto social e ainda mostrar que ela não é tão privilegiada quanto as críticas disseram.

 

“A menina de olho claro e loira não é sempre a ‘riquinha’, a gente também sofre. É claro que eu acredito que nós, de pele branca e olho claro, sofremos muito menos do que pessoas negras por toda a história cultural do nosso país”, desabafou a Miss.

 

Sua maior preparação foi a psicológica. Como a Miss já passou por problemas na vida de modelo, ela queria estar pronta para qualquer coisa que pudesse surgir durante o concurso.

 

 

A menina de olho claro e loira não é sempre a ‘riquinha’, a gente também sofre. É claro que eu acredito que nós, de pele branca e olho claro, sofremos muito menos do que pessoas negras por toda a história cultural do nosso país

“Muita gente acha que é mais beleza, mas pra mim não. Foi muito mais psicológico, porque eu sabia tudo o que eu teria que enfrentar”, revelou Ingrid.

 

Antes mesmo de ser eleita Miss Rondonópolis, a modelo já acompanhava o cenário e viu que a concorrência era muito grande a nível estadual. Ela contou que não esperava ganhar o título de Miss Mato Grosso no dia 15 deste mês.

 

“Eu fui para dar o meu melhor, me preparei para isso. Jamais esperaria ganhar. Foi uma surpresa. Acho que deu para ver pela minha cara na hora”, brincou.

 

Agora, a Miss se prepara para o concurso nacional que acontecerá em São Paulo, no dia 9 de março. Apesar da proximidade do evento, Ingrid afirmou estar preparada para o que vier e aguarda eufórica.

 

“Ansiosa não estou, para ser bem sincera. É mais uma euforia de: ‘Meu Deus, não acredito que estou indo para o Miss Brasil’”, disse, entre risos. 

 

Miss Mato Grosso Ingrid Santin

 

 

Fonte: Mídia News

Publicidade Áudio

Enquete

Até o momento qual a sua avaliação sobre a gestão de Mauro Mendes?

ÓTIMA

BOA

RUIM

PÉSSIMA

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE