Paranatinga, 19 de Abril de 2019

Mato Grosso

CALAMIDADE

Após reunião com Mauro Mendes, Botelho admite calamidade financeira; entenda decreto

Publicado 16/01/2019 10:08:28


O governador Mauro Mendes (DEM) vai a Brasília nesta quarta-feira (16) tratar da possibilidade de decretação do estado de calamidade financeira em Mato Grosso. Na noite passada o democrata se reuniu com os deputados estaduais para discutir o assunto e, na ocasião, mostrou-se preocupado em assumir o eventual decreto. Os parlamentares, no entanto, confirmaram a intenção e conforme o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), a proposta apesar de dura foi bem aceita.


“É uma possibilidade real e que pode ajudar algumas situações. Porque realmente, nós estamos numa realidade de calamidade financeira. O governador está certo”, conversou Botelho, rapidamente, momentos após a reunião.

O decreto de calamidade financeira serve para formalizar uma situação de crise. Um dos efeitos mais importantes do decreto é a possibilidade de mudanças nas regras contidas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

No caso de Mato Grosso, o Governo pode justificar a necessidade do decreto alegando as dívidas de restos a pagar na ordem de R$ 4 bilhões.

Por meio do decreto, podem ser flexibilizados, por exemplo, atrasos no pagamento de dívidas e a extinção de órgãos públicos. Vale lembrar que aguarda na Assembleia Legislativa uma reforma, encaminhada por Mendes, que autoriza o corte de cinco empresas estatais e uma autarquia.

Se efetivado, o decreto poderá também determinar o estabelecimento de prioridades de pagamentos conforme a disponibilidade financeira do Estado. Neste caso, despesas discricionárias como convênios, repasses, doações e benefícios de natureza não alimentar podem ser postergadas e pagas somente depois que o Governo cumprir com suas despesas prioritárias, como salário dos servidores.

Se proposto, o decreto precisa ser aprovado pela Assembleia Legislativa. De acordo com o deputado José Domingos Fraga (PSD), os parlamentares estão conscientes da necessidade da decretação.

“Eu, num primeiro momento, até era contra. Porque o Governo já está tomando medidas extremamente salgadas, não só com relação ao tamanho da máquina, mas acima de tudo tentando maximizar sua receita. (...) Eu achava que não era o momento, mas se você analisar a real situação do Estado...”, avaliou.

 

Fonte: Olhar Direto

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE