Paranatinga, 22 de Novembro de 2017

Judiciário

Ministro do STJ revoga prisões de Paulo Taques, Rogers Jarbas e mais 6

PRISOES REVOGADAS | 31/10/2017 20:53:38


Superior Tribunal de Justiça determinou a revogação das prisões decretadas contra o ex-secretário de Casa Civil Paulo Taques e mais sete pessoas supostamente envolvidas no caso dos grampos.

Foram revogadas ainda as prisões do coronel Airton Benedito de Siqueira Júnior, do ex-secretário de Estado Rogers Eizandro Jarbas, do corornel Evandro Aexandre Ferraz Lesco, do sargento João Ricardo Soler, do major pm Michel Ferronato e de Helen Christy Carvalho Dias Lesco (esposa de Lesco).

Os nomes foram presos em consequência da Operação Esdras. A referida operação foi desencadeada com base no depoimento prestado pelo tenente coronel da Policia Militar José Henrique Costa Soares.
 
A Esdras revelou um verdadeiro esquema criminoso para frear as investigações sobre interceptações ilegais e afastar o desembargador Orlando Perri do caso.
 
Conforme os autos, em depoimentos prestados por Soares “descortinou-se um sórdido e inescrupuloso plano” no intuito de interferir nas investigações policiais e macular a reputação do desembargador Orlando Perri em todos os inquéritos instaurados.

Segundo o processo, Costa Soares foi convocado para atuar como escrivão no inquérito do caso grampos. Logo da convocação, a suposta organização criminosa teria buscado sua cooptação.
 
Seria tarefa do tenente coronel a juntada de informações sobre Perri para provocar a suspeição do magistrado.
 
O caso

Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.

O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
  
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.

Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.

Fonte: Olhar Jurídico

FACEBOOK