Paranatinga, 12 de Julho de 2020

Geral

Juiz federal, procuradora e delegado recebem ameaças

Publicado 09/12/2014


RAQUEL FERREIRA 
DO JORNAL A GAZETA
O delegado da Polícia Federal, Hércules Ferreira Sodré, o juiz federal de Diamantino, Fábio Fiorenza, e a procuradora da República, Ludmila Bortoleto Monteiro, foram ameaçados por telefone durante o final de semana.

Os três atuam nas ações relacionadas à operação “Terra Prometida”, deflagrada no dia 27 de novembro para desarticular um grupo de produtores rurais acusado que atuar na compra, venda e exploração ilegal de lotes do Projeto de Assentamento de Itanhangá (458 km ao norte de Cuiabá). Testemunhas também são ameaçadas desde a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que concedeu habeas corpus aos 34 presos durante o trabalho da Polícia Federal.

Sodré relata que na manhã de sábado recebeu duas ligações de um mesmo número feitas ao seu celular pessoal. A primeira chamada não foi atendida. “Na segunda vez que o telefone tocou, eu atendi e mesmo sem falar nada, um homem disse que os cinco dias que tinha passado preso não ficariam assim”.

A pessoa relatou ainda que sabia onde o delegado mora e ter conhecimento da rotina da família, finalizando que Sodré, o juiz e a procuradora “pagariam” pela prisão. Em seguida, o delegado retornou a ligação e uma senhora atendeu o telefone, apontando que era um “orelhão” de Itanhangá. A mulher não quis se identificar, mas relatou que o telefone público era utilizado momentos antes por um homem de motocicleta. A Polícia Militar da cidade foi acionada e esteve no “orelhão”, onde constatou a existência de marcas de pneus de motocicleta no local. Tudo foi fotografado e fará parte do inquérito que vai apurar a ameaça contra os servidores federais.

Os levantamentos iniciais, segundo o delegado, apontam que a ligação foi feita por um rapaz da cidade que tem envolvimento com assaltos a banco, na modalidade “Novo Cangaço”, na região norte de Mato Grosso. “Essa pessoa está agindo a mando de três fazendeiros citados na operação: Elio Faquinello, que está foragido, Holivar Bragar e o vice-prefeito de Itanhangá Rui Schenkel”.

Sodré não descarta o envolvimento da sindicalista Ivete Pastein, que tinha forte ligação com uma mulher identificada como Solange, também envolvida com assaltos a banco e tia do suspeito. “Nas investigações, descobrimos que Ivete abrigava o assaltante em uma propriedade dela”.

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE