Paranatinga, 18 de Novembro de 2018

Geral

Fuzis enterrados em Hortolândia foram usados em ataque à Brinks em Ribeirão Preto, diz delegado

Ribeirão Preto | 30/10/2018 15:25:38


Diretor do Departamento de Polícia Judiciária São Paulo Interior (Deinter-3), o delegado João Osinski Junior disse na manhã desta terça-feira (30) que as armas de uso restrito das Forças Armadas apreendidas em um terreno em Hortolândia (SP) foram usadas no ataque à empresa de transporte de valores Brink’s, em Ribeirão Preto (SP).

Em entrevista concedida à CBN Ribeirão, o delegado destacou que a Polícia Civil realiza perícia para confrontar a munição apreendida em Ribeirão, com as armas encontradas enterradas na região de Campinas (SP), entre elas um rifle ponto 50 e fuzis 5.56.

“Muitas vezes, mais importante até do que a própria prisão de um elemento é a produção da prova, porque a gente coloca as armas na cena do crime, as pessoas na cena do crime, e uma prova bem feita possibilita que a Justiça tenha condições de fazer a condenação”, disse.

Osinski também não descarta que o carro blindado abandonado no quilômetro 91 da Rodovia dos Bandeirantes (SP-348), em Campinas (SP), tenha ligação com o ataque à empresa de valores. O veículo estava com pane mecânica e precisou ser rebocado até a delegacia.

 

 

Armas apreendidas pela Polícia Militar de Hortolândia — Foto: Reprodução/EPTV

Segundo Osinski Junior, um dos criminosos que foi morto em confronto com a Polícia Militar, identificado como sendo Fábio Donner Silva Martins, de 32 anos, já havia sido preso em Minas Gerais, em 2012, e em Goiás, em 2015, por roubo a banco e a empresas de valores.

 

“O organograma da polícia mineira aponta que ele era um dos chefes da quadrilha na região de Minas [Gerais]. A nossa inteligência aponta que a quadrilha mineira se aliou à quadrilha paulista, que fica na região de Hortolândia, para planejarem esse tipo de crime”, afirmou.

O chefe do Deinter-3 disse que especialistas do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) estão colaborando com a Polícia Civil em Ribeirão e que existe uma força-tarefa, inclusive com a Polícia Militar, para o esclarecimento do crime.

“Essa quadrilha vem sendo, aos poucos, desmantelada. Com essas informações, a gente está conseguindo identificar outras pessoas que fazem parte da quadrilha, mas, o mais importante é colocar essas pessoas na cena do crime”, disse.

 

 

Imagens de drone mostram a destruiçao na empresa Brink's após ataque em Ribeirão Preto, SP — Foto: Alexandre Sá/EPTV

 

O ataque

 

O ataque à Brink's aconteceu na madrugada de segunda-feira (29) no bairro Lagoinha. A quadrilha fez um frentista refém e detonou o muro entre o posto de combustível e a empresa, para invadir o local. A Polícia Militar realizou um cerco e houve tiroteio por duas horas.

Suspeito de participar do ataque, Fábio Donner Silva Martins morreu baleado. Outros três homens foram detidos, sendo um deles ferido. O trio acabou sendo liberado por falta de provas. De acordo com a PM, o dinheiro não foi levado.

 

Dois fuzis, um AK-47, de fabricação russa, e um Colt M4, norte-americano, foram apreendidos. Munição de fuzil calibre nove milímetro, metralhadora ponto 50, capacete balístico, touca ninja, miguelitos para furar pneus das viaturas também foram apreendidos.

Em nota, a assessoria da Brink’s informou que "está à disposição das autoridades para eventuais esclarecimentos dos fatos" e que os funcionários que estavam no local "já receberam a devida assistência e passam bem".

 

Fonte: G1

Publicidade Áudio

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE