Paranatinga, 15 de Outubro de 2018

Eleições

Selma continua sem explicar valor de R$ 700 mil, diz advogado

ACUSAÇÃO DE CAIXA 2 | 02/10/2018 10:28:16


O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT) e dirigente do PSDB, Ussiel Tavares, disse que a candidata Selma Arruda (PSL) "continua mentindo para a população" ao falar das acusações de caixa dois que vem sofrendo e que são alvos de investigação do Ministério Público e da Polícia Federal.

 

Pra Ussiel, Selma "afronta a inteligência da população mato-grossense' ao dizer que os valores pagos a uma agência de publicidade no valor de R$ 700 mil, que não foram declarados, é referente a promoção pessoal para divulgação de palestras e criação de páginas nas redes sociais.

 

“Pouco habituada a dar explicações, a Selma se vê em uma situação bastante complicada. Ela foi acusada e é agora formalmente investigada por crime eleitoral e precisa dar explicações mais claras sobre o assunto aos eleitores”, declarou. 

 

Segundo o ex-presidente da OAB-MT, os cheques emitidos por ela e por seu suplente para o pagamento da equipe de marketing, dispensada por ela sem o cumprimento da totalidade do contrato, precisa que seja melhor explicada.

 

“A acusação, gravíssima, fere de morte o discurso de moralidade feito por ela ao longo de toda a campanha. Qualquer atitude que não seja a de explicar clara e imediatamente o episódio deixará em sua trajetória uma mancha bem difícil de ser apagada”, afirmou.

 

Ussiel disse também que, a poucos dias das eleições, é fundamental que Selma esclareça ponto a ponto a denúncia encaminhada à Justiça Eleitoral. 

 

“Ao invés de esclarecer os fatos, de apresentar as razões para que os R$ 700 mil fossem repassados ao marqueteiro sem a devida comunicação à Justiça Eleitoral, Selma parece ter escolhido o caminho do confronto, de acusar seus acusadores”, criticou. 

 

Para ele, a conduta da magistrada aposentada, que sempre se orgulhou de ter prendido diversos políticos em Mato Grosso, é colocada em xeque.

 

“Foi-se o tempo em que a juíza aposentada podia optar pelo silêncio. Quando estava no Poder Judiciário, poderia limitar suas manifestações aos despachos proferidos. Hoje, os tempos são outros, Selma não mais é juíza e, mais do que isso, decidiu por sua conta e risco ingressar na vida pública, sujeita a críticas, observações e a fiscalização por parte de um eleitor cada vez mais vigilante”, afirmou.

 

O advogado ainda lembrou que a sociedade clama cada vez mais por transparência, eficiência e honestidade, cobrando de seus representados, que serão escolhidos no próximo domingo, uma conduta ilibada. 

 

“Não há espaço para que se tolere qualquer sombra de dúvida. Neste sentido, Selma tem o dever de vir a público imediatamente e esclarecer o nebuloso caso em que está metida”, finalizou.

 

Fonte: Midia News

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE