Paranatinga, 19 de Abril de 2019

Eleições

SUSPEITA DE PROPINA

Juiz autoriza Estado a acessar dados sigilosos de ação contra JBS

Publicado 09/08/2018 20:54:31


 

O juiz Luís Aparecido Bertolucci Júnior, da Vara de Ação Civil Pública de Cuiabá, autorizou a Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) a acessar documentos sigilosos relativos a uma ação movida pelo Ministério Público do Estado contra a empresa JBS, do ramo frigorífico.

 

Na ação, que também tem como réus o ex-governador Silval Barbosa e os ex-secretários Marcel de Cursi e Pedro Nadaf, o MPE pede o ressarcimento de R$ 75 milhões, em razão de benefícios fiscais supostamente concedidos à empresa de forma irregular.

 

A CGE ingressou com pedido de compartilhamento de provas da ação, de modo a instruir um processo administrativo de responsabilização instaurado pelo órgão contra a JBS.

 

 

Defiro o pedido formulado pela CGE, por conseguinte, autorizo a extração de cópias dos documentos não sigilosos deste processo coletivo, bem como dos documentos sigilosos exclusivamente alusivos à ré JBS

“Defiro o pedido formulado pela Corregedoria Geral da Controladoria Geral do Estado (CGE), por conseguinte, autorizo a extração de cópias dos documentos não sigilosos deste processo coletivo, ainda que inerentes a outros réus, bem como dos documentos sigilosos exclusivamente alusivos à ré JBS S.A.”, disse o magistrado em trecho da decisão.

 

Na decisão, Bertolucci determinou que a CGE resguarde o acesso de tais informações às partes, advogados, perito e eventuais habilitados no referido processo administrativo.

 

“Consigno que, como depositária dos dados sigilosos da ré JBS S.A., a Corregedoria Geral da Controladoria Geral do Estado (CGE) não poderá revelar a outrem, de modo direto ou indireto, em sessão pública, violando-lhes o segredo que remanesce para todas as demais pessoas estranhas aos fatos objeto da investigação, mas poderá deles usar e dispor sem restrição, em sessão reservada, cuja presença seja limitada a seus membros, aos investigados e aos seus defensores”.

 

Ex-secretários contrários

 

Intimados sobre o pedido feito pela CGE, os ex-secretários Marcel de Cursi e Pedro Nadaf se opuseram ao compartilhamento das provas.

 

Cursi, por exemplo, afirmou que os fatos contidos no processo administrativo de responsabilização são relativos ao ano de 2012 e que eventuais crimes já estariam prescritos.

 

Nadaf, por sua vez, disse que o processo disciplinar não lhe diz respeito, de forma que ele não “virá a colaborar em nada com o esclarecimento dos fatos e situações que estariam sendo apurados”.

 

“Em que pese os réus Marcel Souza de Cursi e Pedro Jamil Nadaf postularem o indeferimento do pedido de compartilhamento de provas, os argumentos por eles alegados não obstam o referido compartilhamento nos termos postulados pela Corregedoria Geral da Controladoria Geral do Estado/CGE”, afirmou o magistrado.

 

A propina

 

Em sua delação premiada, Silval Barbosa afirmou ter pedido propina ao grupo JBS em troca da concessão de benefícios fiscais à empresa. O acerto ocorreu em uma reunião entre Silval e o empresário Wesley Batista, sócio da JBS, em 2011, no primeiro ano de sua gestão. 

"O colaborador (Silval) se recorda que pediu ajuda a Wesley para quitar dívidas da campanha eleitoral, sendo que ele concordou, desde que fossem concedidos benefícios fiscais para a empresa", dizem os termos do acordo.

 

 

Fonte: Midia News

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE