Paranatinga, 19 de Outubro de 2018

Cidades

Pedro Taques convoca poderes e servidores para sacrifício em Pacto por Mato Grosso “pensando nas futuras gerações”

PEDRO TAQUES | 06/02/2018 12:47:59


A necessidade de fechar 2018 sem déficit levou o governador José Pedro Taques (PSDB) a lançar o Pacto por Mato Grosso, nesta terça-feira (6), ao participar da abertura do quarto período da 18ª legislatura, na Assembleia Legislativa. Mato Grosso acumulou R$ 3 bilhões nos últimos anos, mas só tem certeza de superar menos de R$ 2 bilhões, já incluso R$ 1,25 bilhão, por conta da carência de dois anos das dívidas do Estado com a União.
 
Pedro Taques observou que, por isso, está criando o Fundo de Estabilização Fiscal para que todos contribuam com Mato Grosso. “Por isso, necessitamos do Fundo de Estabilização Fiscal e dos recursos que todos contribuirão para sairmos deste momento difícil, porque estamos pensando nas futuras gerações de mato-grossenses”, argumentou o chefe do Poder Executivo.

Taques repetiu que o Estado não é somente o Poder Executivo e que, por causa disso, o Pacto por Mato Grosso envolve todos os poderes constituídos, órgãos autônomos, servidores públicos e empresariado. “Todos contribuirão para Mato Grosso sair deste momento difícil. Neste momento, chamo os poderes, chamo os servidores [Fórum Sindical], chamo os empresários novamente, para que possamos superar 2018”, ponderou Taques para a reportagem do Olhar Direto, sem entrar em detalhes.
 
O governador lembrou que tem feito isso desde o início do mandato e que as medidas duras são necessárias. “Temos conversado com os poderes, o Fórum Sindical e a classe empresarial desde o início da nossa administração. Nós estamos pensando no Estado. Nós não estamos pensando nas próximas eleições, mas nas futuras gerações”, reforçou Taques, ao lado do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho.
 
O secretário de Estado de Fazenda, procurador Rogério Gallo, afiançou que a criação do Fundo de Estabilização Fiscal é indispensável para o equilíbrio fiscal de Mato Grosso. “O Fundo de Estabilização teria prazo determinado até atingir o ajuste fiscal: gastar mais do que arrecada. É necessário o fundo para que Mato Grosso tenha condições de sobreviver e fazer frente às despesas. E é um Pacto por Mato Grosso”, ponderou Gallo.
 
“É um grande avanço jurídico e institucional, no fundo, para arcar com despesas, porque hoje a Fonte 100 se encontra sobrecarregada. Do modo como estamos caminhando, hospitais serão fechado. Vamos trabalhar para fazer frente”, emendou Gallo.
 
 
 

 

Fonte: OLHAR DIRETO

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE