Paranatinga, 17 de Novembro de 2018

Cidades

Fazenda deixou de pagar R$ 1 milhão em energia em 6 meses

GATO NA REDE | 01/11/2018 17:26:27


Duas operações integradas entre as forças de segurança pública – Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil e Politec – com a Energisa, concessionária de energia elétrica, resultaram em 702 ocorrências de furto de energia apenas nos municípios de Sorriso e Lucas do Rio Verde.

 

Em apenas um dos casos, a fiscalização flagrou uma fazenda, onde havia até praia artificial, acusada de furtar o equivalente a R$ 1,018 milhão na conta de energia elétrica em seis meses. Isso significa que cerca de R$ 400 mil em ICMS deixou de entrar na conta do estado.

  

Os conhecidos "gatos", feitos desde pessoas de baixa renda até fazendeiros, representaram um prejuízo de R$ 8,4 milhões. Com a operação, o Estado recuperou R$ 958,8 mil em ICMS, pois a concessionária já faturou a energia que havia sido furtada pelos consumidores.

 

A primeira operação foi a Sorriso 1, realizada de 14 a 16 de agosto, um mês após a assinatura do Termo de Cooperação entre a Energisa e Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

 

Apenas em uma propriedade rural foi observado que o furto de energia atingiu R$ 1,015 milhão. Além da concessionária de energia, viaturas da PM, PJC e peritos da Politec chegaram na propriedade no período noturno e constataram que o proprietário ligava o "gato" no período da noite.

 

De 25 a 27 de setembro foi realizada a Operação Sorriso 2, durante a qual foram constatadas mais fraudes nos relógios medidores em mais fazendas de grãos e em condomínios de alto padrão. Em uma das mansões, o proprietário pagava apenas R$ 180 de energia, embora a casa tivesse várias instalações de ar condicionado.

 

“Foram realizadas 54 perícias in loco pela Politec, o que ajudou a ter materialidade da fraude. O trabalho dos peritos tem sido muito importante, bem como da Polícia Civil e da Polícia Militar”, afirmou o diretor técnico e comercial da Energisa, Amauri Damiance.

 

Damiance esteve nesta quarta-feira (31) junto com o gerente de Combate à Perdas da Energisa, Sidney Tavares, para apresentar o balanço das operações ao secretário de Estado de Segurança Pública, Gustavo Garcia, e o secretário-executivo da Sesp, Luiz Gustavo Tarraf.

 

A Energisa estima que anualmente a concessionária tem uma perda de R$ 260 milhões com os "gatos" e o Estado deixa de arrecadar R$ 50 milhões em ICMS.

 

“Faremos esse trabalho integrado de forma continuada afim de combater esta modalidade de furto e levar essa ação para outras regionais e até o fim do ano mais ações devem ocorrer”, destacou o secretário de Segurança Pública, Gustavo Garcia.

 

Além de furtar recursos públicos em impostos e deixar de pagar a conta de energia na integralidade, quem faz "gato" ainda coloca a própria família e vizinhos a riscos de incêndio e a choque elétrico com instalações malfeitas, pois nem todos têm acesso a pagar por fraudes no relógio com tamanha tecnologia vista durante as operações em Sorriso 1 e 2.

 

O furto de energia é um crime previsto no artigo 155 do Código Penal, com previsão de pena de um a quatro anos de reclusão, além de pagamento de multa.

 

Fonte: midianews

Publicidade Áudio

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE