Paranatinga, 24 de Maio de 2018

Cidades

"Cada um responde por si", diz secretário sobre prisão de primos de Taques

primos | 14/05/2018 22:05:07


O secretário de Estado de Governo, Domingos Sávio, afirmou que as prisões dos 2 primos do governador Pedro Taques (PSDB) durante a Operação Bônus, 2ª fase da Operação Bereré, não afetam um eventual projeto de reeleição do tucano.

O ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, e o seu irmão Pedro Zamar Taques, foram presos durante a operação que investiga o esquema de fraude, desvio e lavagem de dinheiro na ordem de R$ 30 milhões no Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

“Isso não tem afetado absolutamente nada. As articulações estão um pouco mornas. O governador está focando muito na gestão”, disse Domingo Sávio, nesta segunda-feira (14).

De acordo com o secretário, embora o nome dos primos do governador e até a própria operação tenham ocorrido durante a gestão Taques, a investigação não tem relação com a atual gestão. Apesar da declaração do secretário, de acordo com o Ministério Público do Estado (MPE) o esquema no âmbito do Detran operou de 2009 a 2015.

“Eu quero deixar claro que cada um responde por si. O governador não pode responder por um ato que, primeiro, foi com relação à gestão anterior. E outra, que ele não vai responder por um ato do ex-secretário. Muito menos do irmão do ex-secretário”, disse.

Em depoimento ao Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Kobori confirmou que conhece Paulo e Pedro Zamar Taques, mas negou que tenha feito pagamentos indevidos aos irmãos, acusados de ter dado o aval para a continuidade do esquema no Detran assim que Taques ganhou a eleição em 2014.

“O próprio Kobori inocentou 100% o presidente do Detran na gestão do governador Pedro. Estão inocentando ele. Era uma investigação que vinha desde 2011. Cada um responde pelos seus atos.”, disse.

O secretário avaliou ainda que não acredita que a prisão dos primos de Taques possa comprometer uma possível aliança em torno do nome do governador. Porém, reconheceu que o fato deve ser usado pela oposição.

“A máquina é muito grande. Hoje não temos o controle do que acontece na casa, no local de trabalho, imagina na estrutura do Governo do Estado. É natural da política. Os adversários vão procurar qualquer que seja o vínculo de ligação com o sobrenome e vão procurar utilizar”, disse.

Além dos irmãos Taques e do empresário Kobori, foram presos preventivamente os empresários Roque Anildo Reinheimer e Claudemir Pereira dos Santos, vulgo “Grilo”.

Ao todo, a operação cumpriu 6 mandados de prisão preventiva e 5 de busca e apreensão em Cuiabá, São Paulo e Brasília.

 

Fonte: FOLHAMAX

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE