Paranatinga, 24 de Setembro de 2018

Brasil

PF acha 12 chamadas entre Temer e alvo da Operação Patmos

Operação Patmos | 06/02/2018 12:41:40


A Polícia Federal encontrou ligações telefônicas entre o presidente Michel Temer (MDB) e o coronel aposentado da PM João Batista Lima Filho – amigo e ex-assessor do emedebista. As chamadas são citadas em relatório da Operação Patmos sobre o celular do coronel. No aparelho também foram encontrados contatos do empresário da JBS Joesley Batista, do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, e do ex-assessor do presidente, Jose Yunes. O período das ligações se deu entre abril de 2016 e 12 de maio de 2017, seis dias antes da Operação Patmos, deflagrada com base na delação da JBS.

De acordo com o documento, 12 conversas telefônicas foram feitas entre Lima e o presidente entre abril de 2016 e maio de 2017. Somente no mês de maio, nas proximidades da Patmos, deflagrada em 18 daquele mês, quatro chamadas foram realizadas. A mais longa delas durou quatro minutos e 45 segundos. Do total, 9 foram ligações que Temer teria feito ao coronel.

“Os dados analisados demonstram João Batista Lima Filho como sendo um homem com acesso direto ao presidente Temer, a pessoas importantes ligadas ao Governo, bem como a investigados pela Operação Lava Jato”, diz o escrivão da PF Cláudio Jose de Assis Castro, em relatório enviado ao Supremo Tribunal Federal.

Lima ainda tinha, entre seus contatos, os números do ministro da Secretária-geral da Presidência, Moreira Franco, e do ex-assessor do presidente, Jose Yunes, que é delatado tanto pelo doleiro Lúcio Funaro quanto por Joesley Batista por ser suposto operador de propinas do emedebista.

A Polícia Federal destaca, em relatório, que Lima também manteve conversas sobre repasses com duas pessoas desconhecidas. Em uma das trocas de mensagens, datada de abril de 2017, Lima diz: ” Recebeu pouco. Nas minhas contas deveria ter recebido 120 mil. Estão “garfando” o coitado”.

Segundo a PF, ‘a conversa aparentemente remete a um pagamento feito a alguém, que teria sido enganado, pois o valor pago deveria ter sido maior’.

Em outra conversa, com uma Maria Helena, também não identificada, a PF Lima diz: ” Amiga, nessas condições, ainda tenho esperança de receber as “gorjetas” que você não me deu. Bom domingo! Bom feriado”!

A Polícia Federal voltou a intimar João Batista Lima Filho, que não é interrogado desde a deflagração da Patmos, em maio de 2017. Sua defesa tem alegado que o coronel tem problemas de saúde. Os investigadores querem saber, entre outras informações, sobre quem são e a respeito do que se tratam as conversas com desconhecidos.

Investigação

Endereços ligados a Lima foram vasculhados durante a Operação Patmos, em maio. O Ministério Público Federal investiga um suposto repasse de R$ 1 milhão a Lima feito pelo contador Florisvaldo Caetano de Oliveira, a pedido do ex-diretor de Relações Institucionais da J&F, Ricardo Saud, segundo ambos relataram em seus acordos de colaboração com a Procuradoria-Geral da República. Os valores, segundo o delator, tinham como destino a campanha de 2014 do então candidato a vice-presidente Michel Temer, segundo delatores da JBS.

O coronel é amigo de Temer há mais de trinta anos. Segundo os delatores, os valores foram entregues em uma caixa na sede da Argeplan, empresa de Lima.

De acordo com relatórios da PF na Patmos, além de material relacionado à contabilidade campanha de Temer em 2002 à Câmara Federal, os investigadores acharam também remessas milionárias de moedas estrangeiras, contratos de câmbio, e material referente à empresa AF Consult, alvo da Lava Jato por suposto cartel que envolveu as licitações da construção da Usina Nuclear de Angra III.

 

 

Fonte: Metrópoles

 

Fonte:

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE