Paranatinga, 24 de Maio de 2018

Brasil

Morador que era resgatado quando prédio caiu chegou a sair do local, mas voltou para tentar salvar mulheres e crianças

TRAGEDIA | 01/05/2018 14:36:56


O homem que era resgatado pelos bombeiros quando um prédio em chamas desabou no Centro de São Paulo, na madrugada desta terça-feira (1º), se chamava Ricardo e tinha cerca de 30 anos, segundo moradores da ocupação onde ele vivia.

 

Eles contaram que Ricardo já tinha saído do edifício, mas voltou para tentar ajudar os moradores dos andares mais altos, que estavam com dificuldade para sair.

 

"Muitas mulheres moravam sozinhas e tinha crianças. Ele voltou para ajudar no resgate dessas famílias", diz Gerivaldo Araújo, de 42 anos, morador e antigo porteiro do prédio.

 

Há quatro anos, Ricardo vivia na ocupação do prédio de 24 andares na região do Largo do Paissandu. Imagens do cinegrafista da TV Globo Abiatar Arruda mostram o momento em que um bombeiro tenta salvar Ricardo, e o prédio vem abaixo por volta das 2h50 da manhã

 

Ricardo morava sozinho e trabalhava no centro de São Paulo descarregando produtos importados chineses. Por dia, é possível ganhar R$ 50, contam seus vizinhos e colegas de trabalho. "No seu apartamento, tinha mais planta do que móveis", afirma Gerivaldo.

 

Ele também era conhecido como "tatuagem" porque tinha várias imagens desenhadas pelo corpo. A mais famosa era o símbolo do super-herói Batman no pescoço. "As tatuagens não eram exageradas. Elas eram harmônicas", diz o autônomo Osires Palma Filho, de 36 anos, morador da ocupação.

 

Ricardo morava e coordenava o nono andar – cada andar tinha um coordenador. "Foi ele que autorizou uma limpeza no andar quando eu cheguei", afirma Osires, que morou na ocupação por cinco meses.

 

Segundo Osires, Ricardo é brigado com a ex-mulher e não tem um bom relacionamento com as filhas. Osires não soube especificar quantas filhas Ricardo têm.

 

O homem é considerado desaparecido pelos bombeiros, mas a corporação afirma que as chances de Ricardo ser encontrado vivo são pequenas. A corda e o cinto usados pela vítima foram achados nos escombros do prédio nesta manhã e são realizadas buscas com cães farejadores.

 

Incêndio e desabamento

 

O local do incêndio era uma ocupação irregular, e moradores afirmam que o fogo começou por volta da 1h30 no 5º andar e se espalhou rapidamente pela estrutura.

 

Ainda não se sabe o que causou as chamas. Peritos do Instituto de Criminalística de São Paulo analisam dois botijões de gás encontrados nos escombros.

 

O capitão Marcos Palumbo, porta voz dos bombeiros, disse que outras hipóteses serão apuradas, como curto-circuito. "A única certeza até agora que temos é a de houve um incêndio e só análises aprofundadas dirão o que causou." 

 

Fonte: G1

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE