Paranatinga, 24 de Outubro de 2017

Agronegócios

Produtores defendem que agronegócio preserva meio ambiente e comemoram reforma trabalhista

MEIO AMBIENTE E REFORMA | 11/08/2017 09:23:27


Um dos tópicos discutido durante o 16º Congresso Brasileiro do Agronegócio foi a preservação ambiental. O presidente da Associação Brasileira do Agronegócio, Luiz Carlos Corrêa Carvalho, afirmou que com o programa de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (IPLF), aproximadamente 11 milhões e meio de hectares de terra já foram recuperadas ou adaptadas no país. O deputado federal Nilson Leitão (PSDB), afirmou que o produtor rural brasileiro é quem mais preserva o meio ambiente.

De acordo com Carvalho, com o efeito sustentabilidade do IPLF, 50% do bioma cerrado foi liberado para a produção de grãos. A ILPF tem como grande objetivo a mudança do sistema de uso da terra, e se apresenta como uma estratégia para maximizar efeitos desejáveis no ambiente, aliando o aumento da produtividade com a conservação de recursos naturais no processo de intensificação de uso das áreas já desmatadas no Brasil. O presidente da Abag também disse que graças ao "Poupa-terra", que consiste na conservação de recursos naturais, muitas áreas foram adaptadas para a prática de cultivo sustentável.

Durante o 16º Congresso Brasileiro do Agronegócio, o deputado Nilson Leitão afirmou que o Brasil é o país que mais consegue preservar o ambiente, e apesar disso é o mais perseguido. Ele afirmou que em Mato Grosso, apenas 10% da área é ocupada com produção.

"O Brasil é o país que mais consegue preservar e é o país mais perseguido por aqueles que nao querem o brasil desenvolvido. Não tem ninguém que preserve mais o meio ambiente do Brasil do que o produtor rural ninguém produz mais do que o produtor rural e ninguem preserva mais do que o produtor rural, quem menos se preocupa com isso são aqueles que gastam bilhoes de dolares pra impedir o desenvolvimento do setor produtivo no Brasil. 65% de toda a nossa área está preservada, no Mato Grosso, o maior produtor de quase, só ocupa 10% em produção, segundo estudo da Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária]", disse Leitão.

Mesmo com as medidas de preservação ambiental, os lideres de instituições rurais perceberam um cresicmento no setor. No entanto, para o presidente da Abag, o crescimento da economia deve ser lento. Ele acredita que mais reformas são necessárias para melhorar o cenário.

"Por mais que se crie expectativa, a recuperação da crise será lenta, o agronegócio não esta absolutamente fora da crise. Mas estamos olhando também a questão trabalhista, e é uma grande vitoria o que nos estamos fazendo e conseguindo fazer. O Brasil ainda precisa de mais reformar, porque o "custo brasil" (a maneira burocrática como é feita a logística) rouba a nossa produtividade desde a logistica ate os grandes problemas. E estas reformas estao sendo discutidas no congresso, a trabalhista e a tributaria", disse Luis Carlos Carvalho.

Fonte: Agro Olhar

FACEBOOK