Paranatinga, 11 de Dezembro de 2017

Agronegócios

Ministro destaca suporte de Temer ao agronegócio e anuncia plano logístico para o setor

LOGISTÍCA | 29/11/2017 21:13:43


Durante o Summit Agronegócio 2017, realizado nesta segunda-feira, 27, o ministro da Agricultura em exercício, Eumar Novacki, ressaltou, que o objetivo da Pasta é ampliar a participação do agronegócio brasileiro no comércio internacional e que o presidente Michel Temer “tem dado todo o respaldo para as ações do setor”. O assunto rendeu ao substituto de Blairo Maggi destaque em duas matérias no Jornal Estadão, para o qual também anunciou um plano logístico destinado a este ramo da economia.

De acordo com uma das publicações, o objetivo é chegar a 10% de participação do Brasil no mercado externo, o que, segundo ele, representa mais US$ 30 bilhões na economia brasileira. Novacki afirmou que, para atingir esse patamar, é necessário planejamento e defendeu a contribuição do programa Agro+ para melhorar a competitividade do setor e a rapidez no atendimento de demandas dos produtores. “Os problemas que chegam à minha mesa ou do ministro Blairo são resolvidos.”

Com relação a áreas verdes, o ministro disse que o país tem uma vasta área de preservação ambiental. “66,3% das áreas do País são de cobertura verde no Brasil”, disse há pouco durante apresentação no Summit Agronegócio 2017. Segundo ele, essa parcela mostra o esforço do Brasil na preservação ambiental. “Em nenhum lugar o produtor preserva tanto quanto no Brasil”, disse.

De acordo com o ministro interino, com isso o agronegócio deixa de ganhar cerca de R$ 2 trilhões, que ficam “imobilizados a serviço do meio ambiente”, com as áreas de preservação dentro das propriedades rurais.

Plano Logístico

Novacki  adiantou que o lançamento deve ocorrer internamente, no ministério, na primeira quinzena de dezembro, para depois ser apresentado ao público. O plano atende a todos os modais com planejamentos de curto, médio e longo prazos. “Estamos mapeando onde o agronegócio pode se tornar mais eficiente.”

A ideia é levantar também em quais áreas o governo deve ter parcerias público-privadas, concessões e investimentos próprios. Novacki disse que já há um cálculo sobre o montante a ser investido no projeto, mas não quis antecipar as cifras. “É um plano voltado para o escoamento de safra em todas as áreas, cana, soja, milho, tudo onde conseguirmos reduzir o custo de produção.”

O diretor-presidente do Grupo Estado, Francisco Mesquita Neto, ressaltou, em discurso no evento, a importância do agronegócio na retomada da economia brasileira. “Responsável por um quarto do PIB do Brasil, o agronegócio tem minimizado a crise econômica vivida pelo País.”

 

Fonte: AGRO OLHAR

FACEBOOK