Paranatinga, 18 de Julho de 2018

Agronegócios

Exportações de unidades da BRF de MT e outros quatros são suspensas pelo Governo Federal

ECONOMIA | 16/03/2018 16:06:14


O Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária (MAPA) suspendeu temporariamente a produção e certificação sanitária dos produtos de aves da BRF exportados do Brasil para União Europeia. A medida, que entrou em vigor nesta sexta-feira (16), afeta 10 fábricas da companhia nos estados de Mato Grosso, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Goiás. A suspensão ocorre depois de a empresa, que possui 35 unidades produtivas espalhadas pelo país, ter sido  alvo de uma nova fase da operação Carne Fraca, da Polícia Federal (PF).

Assim, ficam proibidos os embarques das unidades da companhia com selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF) de números: 1 (Concórdia-SC), 18 (Dourados-MS) , 103 (Serafina Correa-RS), 104 (Chapecó-SC), 292 (Várzea Grande-MT), 2014 (Marau-RS), 2518 (Francisco Beltrão-PR), 466 (Capinzal-SC), 4567 (Nova Mutum-MT) e 1007 (Rio Verde-GO).

Por meio de comunicado aos acionistas e ao mercado, a BRF ressaltou que todos os produtos já alocados na região, bem como os produzidos e embarcados antes do dia 16 de março podem ser comercializados e utilizados sem restrições. Foi informado ainda que está marcada para a próxima semana uma reunião na cidade de Bruxelas, na Bélgica, para o MAPA prestar esclarecimentos técnicos às autoridades sanitárias do bloco econômico. Após o encontro a medida será reavaliada.

“A Companhia reitera que vem mantendo intensa interlocução com as autoridades locais e internacionais, prestando todos os esclarecimentos necessários afim de atestar a qualidade e segurança de seus produtos e preservar o relacionamento comercial com seus clientes e consumidores. A BRF manterá seus acionistas e o mercado em geral devidamente informados sobre qualquer nova informação relacionada ao presente comunicado”, diz o texto.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa a avicultura e a suinocultura do País,também comentou a ação e disse confiar em uma efetiva e imediata solução, por meio do MAPA, para a retomada das exportações. A ABPA lembra que o setor produtivo gera 4,1 milhões de empregos diretos e indiretos para o País.  Somente na BRF, são mais de 100 mil empregos diretos.  A avicultura também protagoniza uma das mais relevantes contribuições para o saldo positivo da balança comercial - superando US$ 7 bilhões em divisas.  

“Por tais razões, o Governo Brasileiro precisa e deve esclarecer rapidamente a questão.  O país não pode ceder às ameaças que colocam em risco milhares de empregos e as empresas do nosso setor.  Somos parceiros de longa data da União Europeia, para onde exportamos mais de 5 milhões de toneladas de carne de frango apenas nos últimos 10 anos.  Nunca houve qualquer registro de problemas de saúde pública relacionados à carne brasileira. Não há, portanto, motivos concretos para impor embargos a qualquer empresa de nosso setor, especialmente tratando de fatos passados e que já foram corrigidos”, diz trecho de texto emitido pela entidade.

Foi reforçado ainda toda a questão em torno deste tema decorre de divergências sobre critérios de classificação de produtos exportados no que tange à Salmonella spp que, em termos práticos, não traz risco à saúde pública.
 

 

Fonte: Agro Olhar

Rádios

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE