Paranatinga, 25 de Abril de 2019

Agronegócios

SUÍNOCULTURA EM CRESCIMENTO

Abate de suínos aumenta 61% em 11 anos, afirma IBGE

Publicado 25/03/2019 15:06:46


do Portal do Agronegócio 

O abate de suínos aumentou 61% de 2007 a 2018 no Brasil, uma aceleração bem mais forte do que a das demais proteínas. O frango teve alta de 30%, e o boi, de 4%, no mesmo período.

É uma atividade que se consolida no Brasil. A carne suína cai cada vez mais no gosto dos brasileiros, e as oportunidades de exportação crescem ano a ano.

 

Tudo isso devido a um processo de gestão e de aplicação de novos conhecimentos no setor, segundo Jurandir Machado, analista da 7Fluir Consultores e especialista em suinocultura.

O grande avanço do setor vem da produtividade, que aumenta de 0,2 a 0,4 leitão por ano por matriz.

 

Na região Sul, a estimativa é de uma produção de 26,6 leitões por matriz. Na Centro-Oeste, a produtividade é de 26 por ano, segundo o analista.

Para Machado, treinamento de pessoal e informações instantâneas dão detalhes da criação, apontando exigências de alimentação e de acompanhamento sanitário dos animais.

 

Os dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), referentes a 2018, mostram um abate nacional de 44,2 milhões de animais e produção de 3,94 milhões de toneladas de carcaças de suíno.

 

O acompanhamento de Machado aponta dados semelhantes aos do IBGE para o ano passado e uma evolução neste e no próximo ano.

Para 2020, a consultoria 7Fluir prevê abates de 44,4 milhões de animais e produção de 4,2 milhões de toneladas de carne.

 

Pedro de Camargo Neto, ex-presidente da extinta Abipecs (Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína), entidade que se transformou em ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), diz que um dos grandes impulsos para o crescimento veio do mercado interno.

 

A mudança na forma da apresentação da carne suína no mercado atraiu mais os consumidores. Oferta maior, qualidade, preços competitivos e cortes variados e mais adaptados às exigências dos consumidores puxam o consumo, segundo ele.

Camargo Neto diz, no entanto, que o mercado externo não avançou como deveria nos anos recentes.

 

A Rússia, um dos principais parceiros para o Brasil, sempre teve uma política de "morde e assopra". É um mercado sem transparência e instável nas compras, afirma ele.

Francisco Turra, presidente da ABPA, acredita que a carne suína está retirando mitos desabonadores do passado. Vista como uma alimentação pouco saudável, hoje está até em dieta hospitalar, afirma.

Prova disso, segundo ele, é que o consumo interno atual de 15 quilos por ano por pessoa está bem acima dos dez quilos de há poucos anos.

 

O presidente da ABPA faz grande aposta, no entanto, no mercado externo, principalmente no da Ásia.

A China já lidera as importações brasileiras, e Japão e Coreia do Sul se apresentam como mercados promissores. As esperanças do setor vêm também do México, grande importador de carne suína e que poderá ser um novo parceiro para o Brasil, segundo Turra.

 

 

Publicidade Áudio

Enquete

Prefeitura e Câmara de Paranatinga lança Consulta Pública - UNEMAT

ADMINISTRAÇÃO

AGRONOMIA

PEDAGOGIA

TURISMO

CIENCIA DA COMPUTAÇÃO

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA ELÉTRICA

FISICA

JORNALISMO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ARQUITETURA E URBANISMO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDUCAÇÃO FÍSICA

ENGENHARIA DE ALIMENTOS AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA FLORESTAL

GEOGRAFIA

LETRAS

QUIMICA

SOCIOLOGIA

ZOOTECNIA

AGROECOLOGIA

ARTES VISUAIS

CIÊNCIAS

ENFERMAGEM

FILOSOFIA

HISTÓRIA

MATEMÁTICA

SISTEMAS

TEATRO

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE